Muitos dos movimentos espiritualistas modernos, em especial aqueles vinculados ao New Age e à cultura hippie/hipster, possuem em comum a característica do desprezo à guerra, vinculando-a ao horror e à insanidade mais baixa de que o ser humano é capaz.

Há aí um grande contraste com as formas religiosas antigas que cultuavam divindades próprias associadas à guerra. São exemplos o deus da tempestade dos hititas, o deus Ares dos gregos, Marte dos romanos, Kartikeya dos hindus, entre outros.

Então, que atributo divino é este que possui a guerra?

De fato, é difícil percebê-lo nos dias atuais, pois as guerras recentes são marcadas por uma falta de sentido completo, operando apenas por justificativas materiais, econômicas e políticas, sejam estas petróleo, território ou qualquer outra coisa do tipo.

Desse modo, é fácil deduzir que a guerra seja uma coisa horrenda, pois o terror da carnificina na história recente ocorreu por motivos que não fazem jus à sua gravidade. Entretanto, talvez esse modo de julgar a guerra seja o mesmo de julgar um carro que esteja sendo usado para andar na água.

O fato é que a guerra está na natureza. Um rio está em constante guerra para chegar ao oceano, o fogo desafia a gravidade ao elevar suas chamas ao céu, as ondas batem com força para encontrar as areais da praia, a tempestade mostra toda a fúria de que o céu é capaz…

E, por mais que pareça contraditório à primeira vista, a guerra está intimamente relacionada ao amor.

Afrodite e Ares eram apaixonados um pelo outro. Os egípcios não tinham palavras diferentes para amor e ódio, mas apenas uma, de modo que poderíamos grafar atualmente como “amoródio”. Trata-se de um complemento, dois lados de uma mesma moeda, onde ambos com seus recursos nos movem para chegar a algum lugar de transcendência.

De modo mais objetivo e cotidiano, o filósofo contemporâneo José Ortega y Gasset parece ter traduzido bem esta ideia:

"Com a moral corrigimos os erros de nossos instintos, e com o amor os erros de nossa moral." - josé ortega y gasset | citação | o valor da guerra

A guerra justa – ou santa – consiste na luta para que prevaleça e seja rei o que há de mais nobre e belo (tanto no indivíduo quanto na sociedade). É a destruição das formas gastas, para que o puro, verdadeiro e nobre volte a reinar em sua era de ouro.

Esse processo é representado na figura de Shiva do hinduísmo, no nigredo alquímico, entre outras tradições que buscaram por traduzir e louvar o aspecto guerreiro da natureza, em seus variados sentidos e profundidades.

 

Hoje

É tão verdade que a guerra é um atributo que deve ser cultuado, que nosso atual desprezo a ela nos causa grandes problemas.

O seu valor para nós enquanto seres humanos está no desenvolvimento da resiliência psíquica e na formação do caráter. Assim como uma vacina é capaz de nos tornar mais fortes e resistentes a microorganismos através de nosso contato voluntário com eles, do mesmo modo a passagem por todo tipo de provações nos faz mais poderosos e resistentes, mais capazes de lutar em nossa própria guerra interna.

Entretanto, o absurdo conforto da modernidade somado à cultura do menor esforço cria uma população de débeis.

Não aguentamos ficar sem ar condicionado, qualquer crítica nos sensibiliza a ponto de cortarmos relações e guardar as mais vampirescas mágoas, comemos uma enorme quantidade de alimentos industrializados e horrendos, tomamos “um remedinho” para qualquer dor que nos possa acometer, ficamos mau humorados se não dormimos as oito horas diárias recomendadas pelos especialistas, e nos consideramos o centro do universo, achando um absurdo se qualquer um de nossos desejos não são atendidos.

O instinto de autopreservação prevalece e os mais diversos vícios e defeitos se alastram.

Ao mesmo tempo, no contexto das camadas sociais menos favorecidas, as milhares de provações da pobreza fazem a população desconhecer o mimo dos confortos modernos, desenvolvendo a garra e a força que a guerra contempla.

Entretanto, sem inúmeros fatores materiais e espirituais básicos, tais virtudes são muitas vezes encaminhadas para o crime e a amoralidade, fortalecendo o poder das máfias e quadrilhas.

O político inglês do século XIX Benjamin Disraeli certa vez disse: “o momento exige que os bons tenham a audácia dos canalhas”.

Este momento perdura até hoje. Ou você acha que os pré-adolescentes de classe média alta cujo maior esforço é o de apertar o botão da TV ou do videogame enquanto comem cheetos são mais audaciosos do que os meninos-falcões do tráfico?

 

Ontem

Ao contrário das guerras atuais, muitas das guerras da Antiguidade não diziam respeito a riquezas ou poder. Em muitos casos, o desenvolvimento das virtudes da força, honra, defesa de valores íntegros, além da necessidade de defender sua cidade e/ou nação, era o que estava por trás de uma guerra.

Durante os tempos áureos da civilização Romana, em que não havia ainda decaído moralmente, a anexação de territórios não dizia respeito à simples conquista, mas a espalhar a luz da civilização pelo mundo. Muitos povos que eram governados por tiranias foram anexados ao Império.

Ao mesmo tempo, a cultura dos povos conquistados não era extinta ou subjugada à romana, mas aceita e tolerada, de modo que o Império contasse com uma grande diversidade religiosa e cultural, personificada no Panteão romano. Era a ideia estóica dos “cidadãos do mundo”: um ideal de fraternidade e unidade entre todos os povos e culturas.

Assim, a guerra não estava a serviço de algum interesse material ou egoísta.

Águia romana, símbolo da propagação da civilização. | O valor da guerra
Águia romana, símbolo da propagação da civilização.

Prova disso é o deus da guerra romano Marte, que era representado banhado com seu próprio sangue, ou seja, o sacrifício do guerreiro que luta por uma causa justa. O guerreiro não é um bárbaro troglodita, mas antes de tudo um cavalheiro governador de si mesmo que não luta por outra coisa senão a justiça e a nobreza.

A cidade-estado grega de Esparta foi também outra potência que tinha a guerra em suas entranhas.

A cidade sem muralhas, pois os próprios cidadãos faziam esse papel, era detentora de um modelo educacional que hoje nos pode parecer quase aterrorizador.

Os meninos espartanos eram educados para a guerra, passando pelas mais diversas e pesadas provações. Entretanto, via-se não apenas o lado prático de tal modelo educacional – já que os espartanos realmente guerreavam muito – mas também espiritual.

O romance Portões de Fogo, de Steven Pressfield, autor com bastante conhecimento no assunto, retrata a instrução de um guerreiro espartano a um pré-adolescente que se inicia nas artes guerreiras, contemplando o espírito que animava cidade como nenhuma explicação racional e acadêmica pode supor:

“A guerra, não a paz, produz a virtude. A guerra, não a paz, purga o vício. A guerra, e a preparação para a guerra, suscita tudo o que é nobre e digno em um homem. Une-o a seus irmãos e os liga em um amor altruísta, erradicando no cadinho da necessidade tudo que é vil e ignóbil. Ali, no moinho sagrado do assassínio, o homem mais vil pode buscar e encontrar essa parte de si mesmo, oculta sob a corrupção, que reluz intensa e virtuosa, digna de honra diante dos deuses. Não despreze a guerra, efebo, nem imagine que a misericórdia e a compaixão sejam virtudes superiores a andreia, à bravura viril.” (pg. 147)

Platão afirma que Esparta foi uma timocracia, que segundo o filósofo é a segunda melhor forma de governo. Sua imperfeição consiste em dar excessiva ênfase na ginástica (o desenvolvimento moral e da virtude) e negligenciar a música (o desenvolvimento da sensibilidade da alma), de modo que a educação de uma sociedade ideal contemplaria ambos os fatores.

Em uma comparação chula e injusta, mas de certa forma útil, podemos pensar que, enquanto Esparta caiu nesse extremo, nossa sociedade atual cai no outro, quando preza por educação excessivamente intelectual e teórica, junto a uma libertinagem e frescuras que evidenciam uma notável fraqueza de caráter de nossos cidadãos.

Mas, gostemos ou não, sendo a guerra uma força da natureza digna de ser representada por uma divindade, as mazelas de nosso mundo deverão se dissolver nas páginas ensanguentadas da História que advirá, pois tudo o que vive está sujeito a padecer.

E padecer, para que outra coisa (re)nasça.


Gosta de nossos artigos? Então conheça o Patreon do AZ e financie este projeto!
CLIQUE AQUI e escolha sua recompensa.


Newsletter AZ | sabedoria budista


Você pode querer ler também:

Há uma guerra dentro de você
Como se constrói uma utopia possível?

Rodolfo Dall'Agno

Rodolfo Dall'Agno

Músico, mas graduando para ser psicólogo nas horas vagas. Tenta ao máximo ser escravo dos deuses, ou seja, livre.
Rodolfo Dall'Agno

Últimos posts por Rodolfo Dall'Agno (exibir todos)

COMPARTILHAR