No momento em que este texto é publicado, passaram-se dez dias do ano de 2017, e 30 pessoas foram mortas num ataque terrorista na Turquia, 56 detentos foram mortos na rebelião de um presídio em Manaus (a maioria decapitados) e 5 inocentes foram assassinados por um atirador maluco no aeroporto da Flórida.

Essas e outras tragédias que ocorreram nesse período poderiam sugerir que 2017 será um ano terrível.

Mas não sou pessimista. A noção de “ano novo” é mera convenção, e seria supersticioso supor que dias iniciais terríveis prenunciariam, necessariamente, um ano terrível.

Só que ontem pela manhã ocorreu um fato que deve deixar todos nós preocupados: diante de um discurso de Meryl Streep afirmando que os imigrantes tem e sempre tiveram uma contribuição imprescindível para Hollywood, Trump respondeu da seguinte forma:

"Meryl Streep, uma das mais superestimadas atrizes em Hollywood, não me conhece mas me atacou noite passada no Globo de Ouro. Ela é uma..."
“Meryl Streep, uma das mais superestimadas atrizes em Hollywood, não me conhece mas me atacou noite passada no Globo de Ouro. Ela é uma…”

Para começar, vamos por partes.

Em primeiro lugar, eu estava na costa oeste americana durante as últimas semanas da corrida presidencial. Assisti aos dois últimos debates e todas as manhãs ao despertar e de noite antes de dormir, acompanhava na TV notícias da campanha, mudando continuamente de canal da Fox News (canal defensor de Trump) para a CNN (canal defensor da Hillary).

E durante todo esse tempo não consegui me definir em relação a ambos os candidatos. Os dois eram muito ruins, e os dois também tinham algumas coisas positivas. Hillary é uma pessoa tão detestável a seu jeito quanto Trump — e quanto a esse último, sempre pairava a dúvida sobre se realmente ele era um desequilibrado emocional com incontinência verbal ou se isso não passava de um genial truque de campanha. Quando Trump venceu, todo o mundo livre passou a observar atentamente qualquer sinal de que ele realmente era daquele jeito — pois nesse caso estávamos todos ferrados.

Em segundo, é bem possível que Meryl Streep tenha incorrido em falácias no seu discurso. Afinal Trump não combate todo e qualquer imigrante, mas apenas aqueles em situação ilegal no país, e principalmente aqueles que tem registro criminal contra si. Além disso, talvez ele não tenha debochado de um deficiente físico. Em suma, é possível que a atriz tenha falado merda.

Mas essa (se Meryl Streep estava ou não com a razão) não é a questão. Na verdade, se for assim, tudo é ainda muito pior. É que Trump poderia ter facilmente argumentado que há falácias e até inverdades no que a atriz americana disse. Porém, ao contrário, decidiu responder como uma criança de 12 anos. Ao invés de argumentos, resolveu atacar a competência profissional da Meryl Streep e, com reticências, chamá-la de “bitch”.

Isso, em uma campanha, talvez fosse até defensável para um “candidato” que está tentando se comunicar com o seu eleitorado mais simplório. Talvez o eleitor médio republicano entenda esse tipo de resposta como adequada e representativa de sua forma de pensar (duvido muito — conheci muitos republicanos nos EUA e eles não fecham com essa imagem).

Mas, agora, Trump já não é mais candidato: é o chefe de estado e de governo da maior potência econômica e bélica do mundo, alguém cujas decisões afetarão, na prática, o mundo inteiro.

Trump e o apresentador do programa "Além da Imaginação".
Trump e o apresentador do programa “Além da Imaginação”.

Por isso é extremamente assustador ver um homem que está para tomar as rédeas de uma nação como os EUA perder o controle emocional no twitter feito um menininho fiasquento de 12 anos e demonstrar-se incapaz de responder com argumentos a uma crítica qualquer. É muito preocupante, e uma confirmação de nossas piores suspeitas, que o futuro “líder do mundo livre” revele desequilíbrio emocional e incapacidade de controlar-se mesmo diante de pequenas contrariedades passageiras (algo que ocorrerá quase todos os dias de seu mandato).

Trump não é um idiota, e está longe de ser estúpido. Afinal, no jogo da competição empresarial ele se deu muito bem. Mas é possível (e a resposta dele sugere isso) que aquelas qualidades agressivas e temperamentais que fizeram de Trump um ganhador na lógica da competição no mercado financeiro e empresarial impliquem em efeitos colaterais (a cabeça quente, a presunção de que sempre se tem razão, a irracionalidade no ataque de quem discorda — coisas legítimas nas regras do jogo que ele joga tão bem, o mercado) que, quando deslocados do ambiente em que ele se fortaleceu e inseridos na lógica da administração pública e da chefia de governo e de estado, representam riscos estratégicos significativos na condução da sociedade que agora ele irá capitanear. Pior ainda: representam um risco significativo para os rumos do delicado jogo da geopolítica internacional.

Espero estar sinceramente errado (e vejam bem, eu não simpatizava com Hillary), mas a resposta de Trump (igual a de um menino de 12 anos) a um discurso qualquer de uma atriz num evento qualquer, sugere veementemente que ele é realmente um desequilibrado emocional. Da perspectiva histórica e geopolítica, Meryl Streep e o Globo de Ouro são coisas insignificantes, irrisórias. Já um presidente norteamericano que perde a linha quando uma celebridade de Hollywood faz um discurso qualquer é algo que deve deixar o mundo inteiro preocupado, pois sinaliza alguém incapaz de reagir com o mínimo de equilíbrio e maturidade diante da mínima contrariedade.

Nossa única esperança, se isso for um sinal sobre quem é realmente Donald Trump (um desequilibrado emocional, com incontinência verbal e com resistência a frustrações igual a de um menino de 12 anos), será que os medalhões do Partido Republicano conseguirão governar os EUA pelos bastidores, contendo esse idiota e mantendo o delicado equilíbrio de forças no plano internacional? Se esses velhos republicanos não conseguirem fazer isso, estaremos todos fodidos.


Contribua com a continuidade de Ano Zero, clique aqui.

Editor do site Ano Zero.
COMPARTILHAR
  • André Ferraz

    Não duvido que ele usou isso pra mandar uma mensagem “escondida” mas a verdade eh que ele continuou tuitando uma continuacao do texto que nao coube em um só tuite.