capa-trabalhoqueimporta

4 dicas para ter um trabalho que importa

Em Consciência por Tim O'ReillyComentário

Há muito tempo ins­tigo as pes­soas que conheço a tra­ba­lha­rem naquilo que importa para elas. Isso levan­tou mui­tas ques­tões sobre o que “aquilo” pode­ria ser. Estive um pouco relu­tante em res­pon­der tal per­gunta, por­que a res­posta é dife­rente para cada um.

Pri­meiro, quero dei­xar claro que “tra­ba­lhar naquilo que importa” não sig­ni­fica traba­lho não-remu­ne­rado, cau­sas ou qual­quer outra forma de cari­dade. Pro­je­tos não lucra­ti­vos fre­quen­te­mente são muito impor­tan­tes, e pes­soas com habi­li­da­des téc­ni­cas podem fazer gran­des con­tri­bui­ções, mas é essen­cial ir além dessa visão.

Escla­re­cido o ponto, há vários cri­té­rios que usei na minha pró­pria vida, e vou ten­tar apre­sentá-los aqui.

1 – Trabalhe em algo que dê mais do que dinheiro

Sucesso finan­ceiro não é a única meta ou medida de sucesso. É fácil ser pego obce­cado em fazer dinheiro. Você deve­ria tra­tar o dinheiro como com­bus­tí­vel para aquilo que você real­mente quer fazer, e não como a meta em si pró­pria. Dinheiro é como gaso­lina num carro: você pre­cisa estar atento ou vai aca­bar no acos­ta­mento, mas uma vida plena não é um tour por pos­tos de gaso­lina.

Seja qual for seu tra­ba­lho, pense no que você real­mente valo­riza. Se você é um empre­en­de­dor, o tempo que gasta pen­sando sobre seus valo­res aju­dará a cons­truir o seu negó­cio. Se você vai tra­ba­lhar para outra pes­soa, o tempo que gasta enten­dendo seus valo­res o aju­dará a encon­trar o tipo certo de empresa ou ins­ti­tui­ção para a qual tra­ba­lhar e, quando você a encon­trar, fará um tra­ba­lho melhor.

2 — Não tenha medo de sonhar alto

O autor de livros empre­sa­ri­ais Jim Col­lins disse que gran­des com­pa­nhias têm “metas gran­di­o­sas e auda­ci­o­sas”. O lema do Goo­gle, “acessa toda a infor­ma­ção do mundo”, é um exem­plo de tais metas. Gosto de pen­sar que a mis­são da minha pró­pria empresa, “mudando o mundo com­par­ti­lhando o conhe­ci­mento de pes­soas ino­va­do­ras”, é tam­bém uma meta auda­ci­osa.

E não se inti­mide com a pers­pec­tiva de falhar diante de uma meta gran­di­osa. Há um mag­ní­fico poema de Rilke que fala sobre a his­tó­ria bíblica de Jacó lutando com um anjo, sendo der­ro­tado, mas se erguendo ainda mais forte após a luta. Ter­mina com uma exor­ta­ção que é mais ou menos assim: “Se luta­mos con­tra algo pequeno, ao ven­cer­mos nós tam­bém nos ape­que­na­mos. O que que­re­mos é ser der­ro­ta­dos por gran­des coi­sas suces­si­va­mente”.

E se você está pre­o­cu­pado mais com a com­pe­ti­ção do que com os valo­res que cria com seu tra­ba­lho, você está no cami­nho errado. Em vários casos, quanto mais você tenta com­pe­tir, menos com­pe­ti­tivo você é de ver­dade.

As pes­soas mais bem-suce­di­das tra­tam o sucesso como uma con­sequên­cia de atin­gir seus ver­da­dei­ros obje­ti­vos, que são sem­pre algo maior e mais impor­tante do que elas pró­prias.

3 – Crie mais valor do que obtém

É muito fácil ver que os titãs de Wall Street que aca­ba­ram doando bilhões de dóla­res em bônus para si mes­mos enquanto des­truíam a eco­no­mia não esta­vam seguindo essa regra. É difí­cil jul­gar os peque­nos negó­cios comuns, mas é claro que a mai­o­ria dos negó­cios de sucesso criam mais valor para suas comu­ni­da­des e seus cli­en­tes do que para si mes­mos.

Con­cen­trar-se em gran­des metas ao invés de fazer dinheiro e em criar mais valor do que se obtém são prin­cí­pios mui­tos simi­la­res. O pri­meiro é o teste que se aplica àque­les come­çando algo novo. O segundo é o mais teste mais difí­cil, pelo qual você deve pas­sar para criar algo dura­douro.

4 — Veja o quadro como um todo

É difí­cil ver além do “pequeno aqui” e do “curto agora”, espe­ci­al­mente se você não vive num momento e local favo­rá­veis. É por isso que tan­tas coi­sas real­mente impor­tan­tes aca­bam na cate­go­ria de não-ren­tá­veis.

Mas tem­pos como esse, quando a bolha está estou­rando, são óti­mos para ver quão impor­tante é pen­sar no cená­rio como um todo, para cons­truir­mos uma eco­no­mia sus­ten­tá­vel em um mundo sus­ten­tá­vel.


Artigo tra­du­zido por Igo Araujo San­tos (texto ori­gi­nal) e adap­tado pela Equipe AZ.


Seja patrono do AZ para mais arti­gos como este.
CLIQUE AQUI e esco­lha sua recom­pensa.


Newsletter AZ | sabedoria budista


Você pode que­rer ler tam­bém:

Sobre o fenô­meno dos tra­ba­lhos de merda
8 leis tra­ba­lhis­tas que você não pode esque­cer

Tim O'Reilly
Fundador e CEO da O'Reilly Media. Observando os "alpha geeks", compartilhando suas histórias, ajudando o desdobramento do futuro.

Compartilhe