Nasīr al-Dīn Tūsī foi um polímata persa e prolífico escritor: um arquiteto, astrônomo, biólogo, químico, matemático, filósofo, médico, físico, cientista e teólogo. Ele era dos ismaelitas e posteriormente tornou-se um druso duodecimano, de crença islâmica. O estudioso muçulmano Ibn Khaldun (1332-1406) considerou Tusi como sendo o maior dos eruditos persas.

nasir-al-din-tusi-perfil | A primeira Teoria da Evolução é 600 anos mais velha que Darwin
Nasīr al-Dīn Tūsī. Wikipedia/Domínio Público

Tusi tem cerca de 150 obras, das quais 25 são em persa e o restante está em árabe, e há um tratado em persa, árabe e turco.

Durante sua estada em Nishapur, Tusi estabeleceu uma reputação de estudante excepcional. Escritos de prosa de Tusi representam uma das maiores coleções de um único autor islâmico.

Escrevendo tanto em árabe quanto persa, Nasir al-Din Tusi lidou com ambos os temas religiosos (“islâmicos”) e temas não-religiosos ou seculares (“as ciências antigas”). Seus trabalhos incluem as versões árabes definitivas das obras de Euclides, Arquimedes, Ptolomeu, Autólico e Teodósio da Bitínia.

um-tratado-sobre-o-astrolabio-tusi | A primeira Teoria da Evolução é 600 anos mais velha que Darwin
Um Tratado sobre o astrolábio por Tusi, Isfahan 1505. Fonte: Danieliness

Em seu Akhlaq-i-Nasri, Tusi apresentou uma teoria básica da evolução das espécies quase 600 anos antes do nascimento de Charles Darwin.

Ele começa sua teoria da evolução com o universo, uma vez que consiste de elementos iguais e semelhantes. De acordo com Tusi, contradições internas começaram a aparecer, e como resultado algumas substâncias começaram a se desenvolver mais rapidamente e de forma diferente de outras substâncias.

Ele então explica como os elementos evoluíram para minerais, e então plantas, depois animais e por fim seres humanos. Tusi passa então a explicar como a variabilidade hereditária foi um fator importante para a evolução biológica dos seres vivos:

“os organismos que podem ganhar novos recursos mais rápido são mais variáveis. Como resultado, eles ganham vantagens sobre outras criaturas. […] Os corpos estão mudando como resultado das interações internas e externas.”

O Observatório Astronômico de Nasir al-Din Tusi. | A primeira Teoria da Evolução é 600 anos mais velha que Darwin
O Observatório Astronômico de Nasir al-Din Tusi. Wikipédia

Tusi discute como os organismos são capazes de se adaptar a seus ambientes:

“Olhe para o mundo dos animais e pássaros. Eles têm tudo que é necessário para a vida diária, a proteção e a defesa, incluindo forças, coragem e ferramentas adequadas [órgãos] […] Alguns destes órgãos são armas reais. […] Por exemplo, lança-chifres, dentes e garras-faca e agulha, pés e cascos-bastão. Os espinhos e agulhas de alguns animais são semelhantes a flechas. […] Animais que não têm outros meios de defesa (como a gazela e a raposa) protegeram-se com a ajuda de voo e astúcia. […] Alguns deles, por exemplo, abelhas, formigas e algumas espécies de aves, uniram-se em comunidades a fim de se proteger e ajudar uns aos outros.”

Selo iraniano para o 700º aniversário de sua morte. | A primeira Teoria da Evolução é 600 anos mais velha que Darwin
Selo iraniano para o 700º aniversário de sua morte. Domínio público/Wikipédia

Tusi reconheceu três tipos de seres vivos: plantas, animais e seres humanos. Ele escreveu:

“os animais são mais elevados do que as plantas, porque eles são capazes de mover-se conscientemente, ir atrás de comida, encontrar e comer coisas úteis. […] Há muitas diferenças entre as espécies animais e vegetais, […] Em primeiro lugar, o reino animal é mais complicado. Além disso, a razão é o recurso mais benéfico em animais. Devido à razão, eles podem aprender coisas novas e adotar novas habilidades não-inerentes. Por exemplo, o cavalo treinado ou Falcão de caça está em um ponto mais alto de desenvolvimento no mundo animal. Os primeiros passos da perfeição humana começam aqui.”

Um selo emitido na República do Azerbaijão em honra a Tusi, em 2009. | A primeira Teoria da Evolução é 600 anos mais velha que Darwin
Um selo emitido na República do Azerbaijão em honra a Tusi, em 2009. Wikipédia

Tusi, em seguida, explica como os seres humanos evoluíram de animais avançados:

“tais seres humanos [provavelmente macacos antropoides] vivem no Sudão ocidental e outros cantos distantes do mundo. Eles estão perto de animais por seus hábitos, ações e comportamento. […] O ser humano tem características que o distinguem de outras criaturas, mas ele tem outras características que o unem ao mundo animal, ao reino vegetal ou mesmo com os corpos inanimados. […] Antes [da criação dos seres humanos], todas as diferenças entre os organismos foram de origem natural. O próximo passo será associado à perfeição espiritual, à vontade, à observação e conhecimento. […] Todos esses fatos provam que o ser humano é colocado no meio degrau da escada evolutiva. De acordo com sua natureza inerente, o ser humano está relacionado com os seres inferiores, e só com a ajuda deles é que atingirá o nível mais elevado de desenvolvimento.”


Você pode querer ler também:

Muito além da cueca por cima da calça: sobre capas, pavões e Darwin
Como a ciência evolutiva pode nos fazer moralmente melhores

escrito por:

Equipe Ano Zero

Perfil para publicação de artigos esporádicos e com temas diversos. Esteja por dentro das atualizações do portal Ano Zero, siga-nos nas nossas redes sociais e assine a nossa newsletter para receber nossos e-mails feitos com todo carinho e cuidado.


JUNTE-SE À NOSSA NEWSLETTER
Junte-se a outros 2.000 visitantes que recebem nossa newsletter e garanta, semanalmente, artigos sobre ciência, filosofia, comportamento e sociedade diretamente em seu e-mail!
Nós odiamos spam. Seu e-mail não será vendido ou compartilhado com mais ninguém.

5 COMENTÁRIOS

  1. É inegável a contribuição do islã na astronomia, física, matemática, arquitetura, dentre outras ciências. Porém, não consigo lembra de uma única contribuição recente deles a não ser conflitos, guerras e fanatismo religioso. A pergunta que fica é: o que houve com cultura islâmica?

DEIXE UMA RESPOSTA