É notório que diversas mulheres militares já se disfarçaram de homens, e isto por si já é digno de nota. Conheça três delas, e apaixone-se por sua ousadia.


Em dezembro de 2015, o secretário de Defesa Ashton B. Carter anunciou que o Pentágono iria abrir, às mulheres, todos os trabalhos de combate. Por que isso teve uma repercussão tão grande? Porque o serviço militar para as mulheres sempre foi algo “improvisado.”

Ainda que as mulheres tenham lutado no Iraque e no Afeganistão durante os últimos 15 anos, milhares de postos de trabalho mantiveram-se fora da formalidade até fim do ano passado. Temos certeza de que as mulheres dessa lista iriam aprovar essa decisão.

Hannah Snell 

Imagem de Hannah Snell, incorporada no artigo de Rodrigo Zottis, para o Portal Ano Zero, intitulado: "As mulheres militares que se disfarçaram de homens".Em 02 de junho de 1750, um fuzileiro naval chamado James Gray fez o seguinte anúncio em um pub de Londres:

“Senhores, James Gray vai retirar sua pele como uma cobra e se tornar um novo ser. Em um mundo, eu sou tanto uma mulher como minha mãe sempre foi, e meu nome real é Hannah Snell.”

Como você provavelmente pode imaginar, os senhores ficaram chocados com a notícia de que seu bom amigo James era realmente uma mulher chamada Hannah Snell. Nunca ouviu falar dela?

Nascida em 1723, Hannah era uma inglesa que se disfarçou como um homem para que ela pudesse lutar pelo Rei e pelo país.

Como ela chegou nessa carreira? Seu marido fugiu depois que a sua filha recém-nascida morreu. Snell ouviu um boato de que ele estava no exército, então ela pegou emprestado a identidade de seu irmão, como disfarce. Mais tarde, ela descobriu que seu seu marido tinha sido executado por assassinato. Mas isso não a impediu de acabar com sua carreira militar disfarçada como James Gray. Snell, eventualmente, seguiu sua carreira, e vendeu sua história para o editor inglês Robert Walker, que publicou seu relato, The Secret Life of a Female Marine, que atingiu grande sucesso.

Chevalier d’Éon

Imagem de Chevalier d'Éon, incorporada no artigo de Rodrigo Zottis, para o Portal Ano Zero, intitulado: "As mulheres militares que se disfarçaram de homens".Chevalier d’Eon foi um famoso espião francês com características físicas andrógenas e com diversas habilidades. Nascido em 1728, d’Eon desempenhou um papel fundamental na negociação de Paz de Paris em 1763, que terminou formalmente com a Guerra dos Sete Anos entre a França e a Grã-Bretanha. Além de ser um diplomata habilidoso, D’Eon foi, por mais contas, uma das figuras mais fascinantes do século XVIII. Ele se infiltrou com sucesso na corte da imperatriz Isabel, da Rússia, colocando-se como uma mulher, mas sendo identificado publicamente como um homem durante os primeiros 49 anos de sua vida.

Em 1777, ele começou a se vestir como uma mulher alegando ser do sexo feminino desde o nascimento. Quando Louis XVI disse ao espião para escolher definitivamente um gênero e comportar-se como tal, D’Eon desertou para a Inglaterra. A sociedade de Londres acolheu D’Eon de braços abertos e ela se vestiu como uma mulher durante os próximos 33 anos.

Uma autópsia concluiu que d’Eon era anatomicamente masculino. Chevalier foi transgênero? É difícil dizer. Mas de qualquer forma, Chevalier d’Eon foi uma pessoa inovadora em muitos sentidos.

Loreta Janeta Velázquez

Imagem de Loreta Janeta Velázquez, incorporada no artigo de Rodrigo Zottis, para o Portal Ano Zero, intitulado: "As mulheres militares que se disfarçaram de homens".
Loreta Janeta Velázquez como ela mesma (à direita), e disfarçada de “tenente Harry Buford” (à esquerda).

Você sabia que mais de 400 mulheres já se disfarçaram de homens para que pudessem lutar nas linhas de frente durante a Guerra Civil americana? Todas essas mulheres desempenharam papéis importantíssimos, mas Loretta Janeta Velazquez levou seu papel a um outro patamar.

Nasceu em 1824, em uma rica família cubana. Em 1861, ela ficou irritada quando seu marido se juntou com os confederados. Por quê? Porque ela queria ir com ele. Assim, ela encontrou uma nova maneira de contornar o problema:

“Não contente apenas com sua vida, Velazquez decidiu usar sua riqueza para financiar e equipar um batalhão de infantaria, que traria ao marido para comandar. Ela cortou o cabelo, fez bronzeado, e passou a apresentar-se como tenente, usando o nome de Harry T. Buford. Assim, ela passou a lutar em várias batalhas, incluindo a de Bull Run e Shiloh, mas seu sexo foi duas vezes descoberto e ela foi rebaixada.”

Como que seu disfarce foi descoberto? Ela se tornou uma verdadeira espiã mulher. Realmente um disfarce perfeito, mas não para sua infantaria.


Seja patrono do AZ para mais artigos como este.
CLIQUE AQUI e escolha sua recompensa.


Newsletter AZ | sabedoria budista


Você pode querer ler também:

As 20 mulheres que mudaram a ciência (e o mundo)
Mulher fenomenal

escrito por:

Rodrigo Zottis

Rapaz que só faz o que faz pois espera que um dia seu legado possa ser completamente auto-explicativo.


JUNTE-SE À NOSSA NEWSLETTER
Junte-se a outros 2.000 visitantes que recebem nossa newsletter e garanta, semanalmente, artigos sobre ciência, filosofia, comportamento e sociedade diretamente em seu e-mail!
Nós odiamos spam. Seu e-mail não será vendido ou compartilhado com mais ninguém.