Discurso de ódio | Não tem coisa que o militante radical venere mais que o inimigo

Não tem coisa que o militante radical venere mais que o inimigo

Em Comportamento, Consciência, Política, Sociedade por Nelson MoraesComentário

O ini­migo vai estar sem­pre lá, fazendo o que ele espera, dando subs­tân­cia e razão de exis­tir à sua mili­tân­cia, ali­men­tando fiel­mente o ódio das hos­tes do mili­tante radi­cal e pro­vi­den­ci­ando com­bus­tí­vel para a sua cru­zada.

O ini­migo é uma espé­cie de for­ne­ce­dor do mili­tante radi­cal. Sem os insu­mos ofe­re­ci­dos pelo ini­migo o mili­tante radi­cal não tem o que expor ao seu varejo, e esva­zia seu dis­curso, arris­cando-se inclu­sive a per­der seu infla­mado público.

O ini­migo é a ale­gria do mili­tante radi­cal. O ini­migo pauta sua con­duta, apre­sen­tando-se con­ve­ni­en­te­mente – e dia­me­tral­mente – con­trá­rio à agenda do mili­tante radi­cal que, por sua vez, devolve em igual pro­por­ção:

Se o ini­migo dá uma pen­dida pro pro­gres­sismo, o mili­tante radi­cal põe um pé no con­ser­va­do­rismo. Se o ini­migo abraça algum valor antigo, o mili­tante volta à con­di­ção de pro­gres­sista. Mas sem­pre ciente de que ama­nhã pode mudar de ideia. Só não pode mudar de ini­migo.

O mili­tante radi­cal pode per­der ami­gos. Bolas, o que é um amigo, ou um ali­ado, senão um meca­nismo de repe­ti­ção ou de per­cus­são do que o mili­tante radi­cal pro­paga, fazendo coro à agenda e podendo até rou­bar seu holo­fote?

Ah, ami­gos se per­dem, é do jogo – ini­mi­gos é que não.

Se algum dia o ini­migo sur­pre­en­der neste xadrez a ponto de fazer uma jogada não só impre­vi­sí­vel quanto tam­bém imune a rebo­tes, plena de sen­tido, ade­quada e intei­ra­mente apro­pri­ada à situ­a­ção, dei­xando claro que nenhuma outra posi­ção pode­ria ter sido tomada que não aquela, aí o bicho pega.

Pombo enxadrista

O mili­tante radi­cal dá um chute no tabu­leiro e faz as peças voa­rem.

Por­que trai­ção não tem per­dão.


Con­tri­bua com a con­ti­nui­dade do Ano Zero, cli­que aqui.


Você pode que­rer ler tam­bém:

O “isen­tão”, a nova cari­ca­tura da polí­tica bra­si­leira
Você é uma raposa ou um porco-espi­nho?
Os movi­men­tos soci­ais fra­cas­sa­ram

Nelson Moraes
Almirante de quatro costados (todos eles disponíveis para uso publicitário), é especialista em pescar pérolas e distribuí-las sem dar crédito às ostras.

Compartilhe