Uma nova pesquisa da Emory University School of Medicine, em Atlanta, mostrou que é possível que algumas informações sejam herdadas biologicamente através de alterações químicas que ocorrem em nosso DNA. Durante os testes, cientistas perceberam que ratos podem transmitir as informações obtidas sobre experiências traumáticas ou estressantes – neste caso, um medo do cheiro de flor de cerejeira – para as gerações subsequentes.

De acordo com o Telegraph, o Dr. Brian Dias, do departamento de psiquiatria da Universidade de Emory, disse: “de certa perspectiva, nossos resultados nos permitem perceber o modo de como as experiências de um pai, mesmo antes de conceber filhos, pode influenciar significativamente na estrutura e função no sistema nervoso das gerações subsequentes. Tal fenômeno pode contribuir para a etiologia e potencial de transmissão intergeracional de risco para distúrbios neuropsiquiátricos, como fobias, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático.”

Isto sugere que as experiências sejam de alguma forma transferidas a partir do cérebro para o genoma, permitindo-lhes ser transmitido às gerações posteriores.

Os pesquisadores agora esperam aprofundar seu trabalho para entender como a informação passa a ser armazenada no DNA. Eles também desejam explorar se efeitos semelhantes podem ser vistos nos genes dos humanos.

Professor Marcus Pembrey, geneticista pediátrica da University College London, disse que o trabalho fornecido são “provas convincentes” da transmissão biológica de memória.

bionews500_marcuspembrey
Marcus Pembrey

“É possível que fobias, ansiedade e distúrbios de estresse pós-traumático, sejam oriundos de uma transmissão da “memória” de algum ancestral para o resto de suas gerações. Eu suspeito que no futuro, nós não vamos analisar o aumento dos distúrbios neuropsiquiátricos ou de obesidade, diabetes e ou perturbações metabólicas repentinas em um indivíduo específico sem abordar o tema de transmissão genética.”

O Professor Lobo Reik, chefe da epigenética do Instituto Babraham em Cambridge, afirmou, no entanto, ser necessário trabalho adicional antes que esses resultados possam ser aplicados aos seres humanos. “Estes tipos de resultados são animadores, pois sugerem que a herança transgeracional existe e é mediada pela epigenética, mas um estudo mecanicista mais cuidadoso é necessária antes de extrapolar tais resultados para os seres humanos.”

Agora, o famoso tema controverso; será que o nosso DNA também carrega memórias passadas de nossos antrecestrais?

41718-assassins-creed-animus-pantheon_(1)
Na franquia de games Assassins Creed, o protagonista Desmond revive as memórias de seus antepassados.

escrito por:

Rodrigo Zottis

Rapaz que só faz o que faz pois espera que um dia seu legado possa ser completamente auto-explicativo.


JUNTE-SE À NOSSA NEWSLETTER
Junte-se a outros 2.000 visitantes que recebem nossa newsletter e garanta, semanalmente, artigos sobre ciência, filosofia, comportamento e sociedade diretamente em seu e-mail!
Nós odiamos spam. Seu e-mail não será vendido ou compartilhado com mais ninguém.