Desenhos anatômicos são fascinantes, pois ocupam um espaço entre a arte e a observação científica – este é o caso dos desenhos anatômicos de Leonardo Da Vinci.

O período em que representações da figura humana começaram a ser anatomicamente mais acuradas foi entre 1500 a 1510, momento em que as fronteiras entre a formação artística e investigação científica se cruzaram. De acordo o Metropolitan Museum of Art, as “investigações anatômicas dos artistas superaram muito do conhecimento da anatomia que era ensinado nas universidades”.

Leonardo Da Vinci desenhos anatômicos
Esboços anatômicos de Leonardo da Vinci, supostamente entre 1510-1511.

Artistas como Michelangelo Buonarroti e Leonardo da Vinci, assim como figuras menos conhecidas como Antonio Pollaiuolo e Baccio Bandinelli dedicaram-se a “dissecções anatômicas detalhadas em muitos momentos de suas longas carreiras”, produzindo centenas de esboços e estudos que serviam como base para a preparação de pinturas e esculturas.

A maioria dos artistas do Renascimento tornaram-se anatomistas por necessidade, pois tentavam aperfeiçoar a retratação humana de forma mais realista, levando necessariamente ao estudo da anatomia. Os estudos de Leonardo da Vinci, no entanto, tinham interesse especificamente científico, semelhante às suas investigações sobre a física do vôo, armas de balísticas, arquitetura e outras atividades.

Leonardo Da Vinci desenhos anatômicos
Anatomia do pé de um urso, data desconhecida, provavelmente entre 1502-1508.

Muitos dos desenhos anatômicos de Leonardo contêm notas detalhadas de suas observações. Ele redigiu essas notas usando sua técnica própria de escrever da direita para a esquerda (a “escrita em espelho”), que ele havia desenvolvido para seus cadernos particulares.

E agora podemos apreciar diversos desenhos anatômicos de Leonardo, tanto de figuras humanas como de animais em um só lugar, graças ao Palácio de Buckingham Collection Trust que digitalizou sua considerável coleção. Leonardo não só estudou estrutura anatômica, mas também realizou dissecções a fim de compreender a fisiologia humana. Ao longo de seus estudos, ele se aproximou de uma compreensão científica do funcionamento do corpo humano, vendo-o como se fosse uma máquina orgânica, com uma ordenação racional de suas partes, que o colocava em posição de destaque no mundo natural.

Leonardo Da Vinci desenhos anatômicos
Barra de iniciar do Anatomy Da Vinci App

Além dos muitos esboços, estudos e ilustrações detalhadas, no arquivo online da coleção da Royal Trust, os proprietários de iPad também podem pesquisar e visualizar a coleção em seus dispositivos com o aplicativo Leonardo da Vinci Anatomy (imagem acima). Todas as 268 páginas de cadernos de Leonardo são apresentados no aplicativo com a maior resolução, otimizado para a tela do iPad. O app inclui recursos úteis, como traduções para o inglês das notas, bem como ensaios e entrevistas com especialistas discutindo a importância das descobertas de Leonardo.

Leonardo Da Vinci desenhos anatômicos
“Cabeça de Judas” esboço no giz vermelho, por Da Vinci (c. 1495)

Possuindo ou não um iPad, você pode se beneficiar imensamente dessa coleção, pois a versão on-line permite o download de imagens em alta resolução. Você pode ampliar cada desenho para examinar detalhes, como as linhas finas e sombreamento sutil que marcam cada uma das ilustrações de um artista talentoso e dotado de uma curiosidade científica extraordinária.


Seja patrono do AZ para mais artigos como este.
CLIQUE AQUI e escolha sua recompensa.


Newsletter AZ | sabedoria budista


Você leu sobre a arte de Leonardo Da Vinci. Você pode querer ler também:

A arte de Gregory Crewdson
Escute a música mais antiga do mundo

escrito por:

Rodrigo Zottis

Rapaz que só faz o que faz pois espera que um dia seu legado possa ser completamente auto-explicativo.


JUNTE-SE À NOSSA NEWSLETTER
Junte-se a outros 2.000 visitantes que recebem nossa newsletter e garanta, semanalmente, artigos sobre ciência, filosofia, comportamento e sociedade diretamente em seu e-mail!
Nós odiamos spam. Seu e-mail não será vendido ou compartilhado com mais ninguém.