[dropcap]N[/dropcap]a terça-feira, dia 21, Gilmar Mendes, Ministro do STF, insinuou que o Ministério Público está vazando trechos de delações premiadas da Oderbrecht para a imprensa, com propósitos políticos, e lembrou que isso é crime previsto pelo Código Penal e portanto provas vazadas devem ser descartadas. Rodrigo Janot, Procurador-Geral da República e chefe do Ministério Público, respondeu insinuando que Gilmar estava sofrendo de “disenteria verbal”.

Janot sacrificou o bom nível da conversa por amor à precisão ao descrever o cenário em que vivemos: estamos todos na merda. Mas se eu fosse adepto de teorias conspiratórias (o que não sou), diria que Janot subestimou feio aquilo que Gilmar expeliu pela boca. Se eu acreditasse em coisas como Illuminatis e extraterrestres reptilianos, diria que as verborréia do Gilmar foi o tocar da corneta que anuncia o grande ataque articulado contra a Lava Jato e a delação da Odebrecht.

Ataque cujos generais sãos os grandes líderes da política brasileira (Renan, Aécio, Lula, a cúpula do PMDB inteira,…), pois a Lava Jato fez o impensável e conseguiu unir os maiores adversários em torno de um projeto comum. Afinal, quando se trata de corrupção e cadeia, todos os políticos deste país têm a mesma ideologia – salvar seu couro.

[pullquote type=”left”]”A posse de Alexandre de Moraes colocou em posição avançada no tabuleiro um peão do PMDB que, a partir de agora, pode se mover como rainha.”[/pullquote]

Ataque cujos soldados-rasos são todos os congressistas de rabo preso (do PMDB, PT, PSDB, PP…), gente que até ontem imaginava que as investigações em algum momento chegariam a um fim. Alguns até tentaram surfar na Lava Jato para prejudicar adversários e alcançar o poder – mas agora perceberam que a operação pode pegar todo mundo e não parar nos delinquentes da cúpula do PT. Mais ainda, perceberam que a Lava Jato pode ser pode ser apenas o início, pois Eike Batista já avisou que pode começar a abrir a caixa-preta do BNDES para se beneficiar de uma delação.

Ataque que conta com a artilharia pesada de alguns ministros do STF. Ou alguém acha que uma grande empreiteira compraria ministros, presidentes, deputados e senadores mas deixaria intocado o Judiciário?

[x_gap size=”5px”]

Ataque que, inspirado no que “funcionou” no desmonte da Operação Mãos Limpas, tem como estratégia o combate articulado em vários fronts ao mesmo tempo. Após a corneta de Gilmar na terça (fortalecendo a teoria de que delações vazadas são nulas), a primeira etapa ocorreu na quarta, com a posse de Alexandre de Moraes como Ministro do STF, o que colocou em posição avançada no tabuleiro um peão do PMDB que, a partir de agora, pode se mover como rainha. Alexandre, vai se alinhar com Gilmar (representante do PSDB) e Toffoli-Lewandowski (representante do PT) para articular uma hermêneutica constitucional que, anulado muitas das delações, livre da cadeia todos os principais medalhões da política nacional.

Ataque que, no flanco do Legislativo, prosseguirá com a tentativa de empurrar a lei de abuso de autoridade usando a vaselina do fim ou modificação foro privilegiado, um projeto que pode ser arquivado mais adiante, quando já tiver servido de Cavalo de Troia.

Ataque que, no flanco do quarto poder, a Mídia, já começou seu trabalho insidioso na bolha da direita com as súbitas críticas de Reinaldo Azevedo ao Sérgio Moro (a mando do PSDB e Aécio). Na bolha da esquerda, claro, já está tudo a muito tempo dominado com a narrativa que convém aos defensores de Lula.

Mas não, não gosto de ideas de conspirações, são todas improváveis e inverossímeis. O Gilmar só falou por falar mesmo.