A esquerda tem imposto, de forma autoritária e arrogante, coisas como local de fala, protagonismo e espaços seguros. Usando academês pra mostrar pro povo como “votar de forma consciente” num mundo no qual diferenças culturais resultam em mortes de civis inocentes, a economia vai mal ou poderia estar melhor, homossexualidade ainda é motivo de expulsar os filhos de casa, a maior parte das mulheres é do lar ou é a principal responsável por essas tarefas.

Vem a direita e usa um discurso simples de entender independentemente da formação (ou da falta dela), promete segurança, estabilidade econômica suficiente pra aumentar teu poder de compra, reação contra terroristas e não mexe com tuas crenças pessoais. E vence as eleições.

O que alguém poderia esperar de diferente?

Certos discursos não adiantam. Certos métodos não funcionam mais. O mundo ainda tem muito de retrógrado, sim, e tem muito a melhorar. Mas, embora retrógrado no pensamento, o mundo não paralisou no tempo em outros ângulos. Há que se pensar de forma diferente. Mudar certos discursos, como:

– A MÍDIA É GOLPISTA E A FAVOR DA DIREITA:

A Globo e a Veja fizeram uma campanha enorme pelo Freixo: Crivella ganhou. Praticamente todas as mídias estadunidenses torceram pela Hillary: Trump venceu.

Ao invés de ficar servindo de relações públicas de partidos, os veículos de informação deveriam tratar de selecionar bem o público que interessa para suas metas (não é o mesmo que selecionar um público específico qualquer), conhecê-lo e dialogar com ele, dando-lhe informação relevante para suas decisões. Não montar grupinho de confirmation bias para crentes fervorosos da causa. Isso não é política, é clubismo.

 

– TODO MUNDO QUE DISCORDA DE MIM É UM CEGO ILUDIDO:

Pode ser. Mas se alguém disser o mesmo pra você sobre suas ideias, essa pessoa vai conseguir te convencer a aderir ao que ela defende? Ou, ao contrário, você vai, além de se aferrar ao seu próprio pensamento, reagir com antipatia por ter sido chamado de ignorante, tendo sua inteligência posta em xeque logo de cara?

Isso deveria ser tão óbvio que nem precisaria estar nesta lista, mas acontece com tanta frequência que só posso pressupor que não se tocam, tamanha a megalomania.

 

– POSIÇÕES POLÍTICAS DIFERENTES DA MINHA REPRESENTAM O MAL NA TERRA:

De novo a arrogância moral e falta de interesse em quem diz querer defender; sequer escutam os motivos da pessoa, simplesmente se aferram à própria visão e saem condenando – e com o carisma de uma motosserra.

Já pararam pra reparar que políticos que defendem pautas eticamente questionáveis de um ponto de vista progressista defendem, também, pautas mais básicas e que todo mundo tem interesse? Não? Então saiam da bolha. Vocês deveriam saber.

Esse pensamento arrogante só afasta mais ainda as pessoas.

Enquanto vocês estão lá falando que “Fulano de Tal vai cortar o Ministério da Cultura e tirar bolsas de iniciação científica na faculdade”, o povão só quer saber se vai ter polícia na rua, pelo menos, pra sentir-se seguro quando for trabalhar antes do sol nascer e voltar tão tarde que só tem assombração na rua.

Quando se ignora as razões legítimas que podem estar por trás de decisões equivocadas (ou que alguns consideram equivocadas), dá-se as costas ao outro, passando a imagem de ditador intolerante.

Evidentemente que quem faz isso é considerado uma ameaça àqueles interesses legítimos. Basicamente, estão forçando as pessoas a votarem “num candidato forte o bastante” pra acabar com esse seu autoritarismo e desejo de controle.

Lembre-se: foi você quem fugiu do diálogo.

 

– DEFENDO AS MASSAS, OS POBRES, OS NEGROS, AS MULHERES, OS LGTBQRSAgenderfluksfluidflux+++:

Vou dar um rápido rascunho das massas: pobre quer creche e grana no bolso, não textão elogiando funk e apologia à pobreza idílica; negros querem se misturar e serem bem tratados por características pessoais além da cor da pele, não ficarem em espaço seguro e terem o monopólio de “símbolos da raça”; mulheres querem independência e poder de compra, creche, emprego legal e coisas que os homens querem, não textão implicando com roupa de desenho animado da Disney.

LGBTs querem o mesmo que outras pessoas E TAMBÉM segurança para viverem sem serem importunados por suas características. Há formas melhores de ajudar nisso do que discutir por dias os motivos que levaram a sociedade “hipócrita, preconceituosa e burra do caraio” a rejeitar uma trans pregada na cruz como protesto.

Não sobrou uma esquerda defendendo as massas desde que ela ocupou o espaço que antes era “da direita”: cargos políticos e bancos universitários. Vendeu sonhos e acabou presa no próprio mundo de exercícios mentais.

Isso abriu um espaço ENORME pra direita agir com aqueles que vocês tanto dizem defender.

Observem a relação entre o número de pobres evangélicos e a ascensão da bancada evangélica. Observem a forma dessas igrejas agirem onde os “conscientes defensores do povo” deveriam agir.

A esquerda hoje é acadêmica. Quem faz trabalho de base é o outro lado.


Contribua com a continuidade de Ano Zero, clique aqui.

Você pode querer ler também:

As esquerdas contra o povo: a crise invisível e o adesismo militante
Ok, vamos ocupar as escolas, mas e depois?

Renata Carvalho
Feminista liberal, com alergia ao pós-modernismo. Administradora da página Feminismo Liberal no Facebook. Groselheira nas horas vagas.
COMPARTILHAR