É possível analisar também um indivíduo específico a partir da forma que ele descarta o seu lixo e tudo o que envolve a questão higiênica pessoal.

Estou vivenciando uma tarefa quase que diária de lavar banheiros, e, por mais estranho que possa ser, e às vezes sinto certo nojo perante as coisas que vejo, tento tirar algum proveito disso. Além de ser o momento onde eu mais reflito sobre passado, presente e futuro, é o momento também que eu mais tenho idéias. Enfim, é aquela tarefa que se tenho que fazer, vou fazer com amor, bem feito e aproveitar o momento.

Existem estudos que mostram o quanto seu lixo pode dizer sobre você, o que e quanto você descarta. Isso tende a variar bastante conforme a região, continente, cultura, aspectos econômicos. Dá para imaginar o tipo de lixo que um americano produz? E o de um índio? Isso confere uma análise de forma generalizada de dois extremos, porém, percebi que é possível analisar também um indivíduo específico a partir da forma que ele descarta o seu lixo e tudo o que envolve a questão higiênica pessoal.

Não estou dizendo para vasculhar o saco de lixo do seu vizinho, apesar de saber que muitas pessoas fazem isso. É algo mais sutil, de forma observadora.

Educação, no meu ponto de vista, é algo que vai além do que você mostra em público. Quem é educado, simplesmente é, inclusive quando está sozinho. Não precisa mostrar para ninguém, não precisa aparentar ser para um grupo ou alguém. Digo isso porque muitas pessoas tentam conquistar alguém pela educação (que na maioria das vezes não tem). É algo inteligente e estratégico de se fazer, costuma ter efeito, mas aí mora um grande perigo. Homens costumam fazer muito isso, eu tenho percebido desde então, mas aí pregam uma grande peça em você, pois pecam nos detalhes que talvez você tenha que conviver pelo resto do relacionamento. Educação vai muito além de abrir a porta do carro, de pagar a conta, de afastar a cadeira para você sentar. Puro clichê nos dias atuais.

Bons costumes no banheiro, sinais de educação:

– Utilizando o vaso sanitário:

Primeiro, é necessário levantar a tampa. O assento que vem depois, como o próprio nome diz, é para sentar. Se não for usá-lo, levante-o também.
O orifício do vaso é grande e bem fácil de acertar a “mira”. Isso vale para homens e mulheres. E se mesmo assim, respingar na borda dele, pegue um papel e limpe. Isso é educado. Pingos no chão estão fora de cogitação e eu já nem sei como eles podem acontecer!
Sempre aperte a descarga! Ela serve para levar embora até a rede de esgoto os seus resíduos corpóreos. Verifique se não sobrou nada e abaixe a tampa.

– Utilizando o mictório (só para homens):

É mais prático que o vaso sanitário, pois não há necessidade de levantar tampa. Após o uso, aperte a descarga para que respingos de urina não fiquem ali, secando e provocando um odor desagradável. Porém, se sua mira não for muito boa ou estiver embriagado, você corre o risco de urinar (muito ou tudo) no chão ou na parede e isso é extremamente MAL EDUCADO. Se for seu caso, vá para o vaso. Se possível, sente!

– O que fazer com o papel higiênico usado:

Talvez seja você que vai retirar o seu lixo, mas talvez não, e obrigar alguém a ver o que você fez com o papel é muito chato, mesmo que esteja pagando.  A sacada da educação é maior ainda em locais onde você nem imagina quem irá fazer a limpeza do local. Entendeu?
Dobrar o papel higiênico e também o absorvente é sempre muito educado!
Assegure-se de que jogou o papel/absorvente no lixo e não no chão, e muito menos no vaso sanitário. Isso faz as coisas entupirem.

– Lavando as mãos:

É possível executar essa tarefa sem fazer meleca na pia. O dispenser de sabonete costuma ejetar o líquido por baixo, posicione sua mão ali e aperte. Leve suas mãos até a pia e abra a torneira. Depois que tirar o excesso, você poderá enxugar suas mãos com 2 folhas de papel, uma toalha se for em um banheiro residencial ou naqueles jatos de ar. Não é necessário um monte de papel e nem sair pingando pelo banheiro todo. Lembre de jogar o papel no lixo, nunca no chão ou na pia. Isso também faz as coisas entupirem.

É fácil!

Atitudes contrárias a essas eram comuns aos homens e aceitas pelas mulheres até o século passado, mas os tempos são os outros e hoje em dia a maioria das mulheres não se vê indo atrás do homem abaixando a tampa ou limpando o banheiro a cada usada. Atualmente as mulheres perceberam que são capazes de fazer tudo o que um homem faz e até mais, e os homens gostam disso também, afinal, ninguém mais quer ficar bancando tudo sozinho, certo? Então, é bom colaborar!


Mas, voltando a questão da educação… Supondo que você esteja interessado em alguém e essa pessoa pareça ser educada, tire a prova final visitando o banheiro após ela. Algumas situações são mais fáceis que outras, mas é possível, e é uma comprovação infalível da educação de alguém.
Analisemos: se o indivíduo executa todas as normas de civilidade num banheiro como eu elenquei anteriormente, ele é responsável por aquilo que faz e pensa em alguém que ele nem imagina quem seja, no caso, em quem vai limpar o local. Pode ter certeza, ele realmente é educado e será educado com você também, não é mera aparência. Caso contrário, não se engane. Uma hora ou outra será mal-educado com você também. E se o relacionamento vingar, ixe, não há amor que dure por muito tempo.

Conselho para os homens que querem conquistar uma mulher:

Você nem imagina quanto, mas mulheres são extremamente estrategistas. E se você acha legal uma mulher culta, inteligente, sensível e autêntica, fique esperto, ela é mais ainda! Hoje em dia mulher não quer problema pra cabeça, homem tem que agregar e não fazê-la perder tempo limpando banheiro. Elas reparam os mínimos detalhes e percebem que esse deslize mostra grandes sinais da personalidade de um tipo de homem que ela não vai querer pra vida dela.


escrito por:

Natalia Marques

JUNTE-SE À NOSSA NEWSLETTER
Junte-se a outros 2.000 visitantes que recebem nossa newsletter e garanta, semanalmente, artigos sobre ciência, filosofia, comportamento e sociedade diretamente em seu e-mail!
Nós odiamos spam. Seu e-mail não será vendido ou compartilhado com mais ninguém.