Heroína | Descoberta a verdadeira porta para as drogas pesadas

Descoberta a verdadeira porta para as drogas pesadas

Em Ciência por Equipe Ano ZeroComentário

Dro­gas pesa­das | Em um dis­curso no mês pas­sado, na Uni­ver­si­dade de Ken­tucky, nos EUA, Attor­ney Gene­ral Loretta Lynch expli­cou que em todo o país as pes­soas são mais pro­pen­sas a come­ça­rem a usar heroína devido aos anal­gé­si­cos do que à maco­nha.

Embora isso não sig­ni­fi­que que qual­quer um que use estes medi­ca­men­tos corra auto­ma­ti­ca­mente o risco de se tor­nar vici­ado em dro­gas de rua, isso faz real­çar o ponto de que, só por­que uma subs­tân­cia é legal, isso não sig­ni­fica que é com­ple­ta­mente ino­fen­siva.

Mui­tos anal­gé­si­cos con­têm opi­oi­des, que se ligam aos recep­to­res opiá­ceos do sis­tema ner­voso cen­tral, a fim de redu­zir a sen­sa­ção de des­con­forto.

Quando toma­dos em doses ade­qua­das, são geral­mente con­si­de­ra­dos segu­ros, con­tudo as pes­soas que abu­sam des­tes pro­du­tos quí­mi­cos podem cons­truir uma tole­rân­cia aos seus efei­tos, o que pode levar o usuá­rio rapi­da­mente à depen­dên­cia.

De acordo com Lynch, aque­les que rece­bem a pres­cri­ção do uso deste tipo de dro­gas pos­suem altas chan­ces de desen­vol­ver um uso pro­ble­má­tico, podendo pas­sar para as dro­gas de rua em busca de satis­fa­zer seus dese­jos cada vez mais insa­ciá­veis.

Quando fala­mos sobre o vício em heroína, nor­mal­mente, como já men­ci­o­nado, esta­mos falando de indi­ví­duos que come­ça­ram com um pro­blema de dro­gas de pres­cri­ção, e, em seguida, por­que eles pre­ci­sam de mais e mais, pas­sam para a heroína”, expli­cou ela.

No entanto, enquanto alguns jovens que expe­ri­men­tam a maco­nha tam­bém podem pas­sar a expe­ri­men­tar outras subs­tân­cias ilí­ci­tas, não parece ser o caso de que a can­na­bis neces­sa­ri­a­mente age como uma droga de “porta de entrada”.

médico prescrevendo

Médi­cos que impru­den­te­mente pres­cre­vem anal­gé­si­cos opiói­des podem estar fazendo um des­ser­viço aos seus paci­en­tes.

Um cres­cente setor da pes­quisa cien­tí­fica con­firma essa ale­ga­ção, assim como um estudo recente revela que mais de 50 por cento das mulhe­res que estão em tra­ta­mento de depen­dên­cia de opiá­ceos em Ontá­rio, Canadá, pri­meiro entra­ram em con­tato com subs­tân­cias à base de opiá­ceos atra­vés de medi­ca­men­tos pres­cri­tos.

As taxas de mor­tes por over­dose rela­ci­o­na­das com o con­sumo de opiá­ceos está atu­al­mente fora de con­trole nos EUA, na medida em que a mor­ta­li­dade para os ame­ri­ca­nos bran­cos entre as ida­des de 25 e 34 anos está aumen­tando, ape­sar de uma melho­ria glo­bal da saúde e do bem-estar geral da popu­la­ção.

Estas mor­tes são cau­sa­das por uma com­bi­na­ção de dro­gas de rua como heroína e medi­ca­men­tos pres­cri­tos que con­têm mor­fina, oxi­co­dona e outros opi­oi­des.


Con­tri­bua com a con­ti­nui­dade do Ano Zero aqui.


Você pode que­rer ler tam­bém:

O guia defi­ni­tivo do maco­nheiro con­tem­po­râ­neo
Entenda a guerra às dro­gas em 5 minu­tos

Equipe Ano Zero
Perfil para publicação de artigos esporádicos e com temas diversos. Esteja por dentro das atualizações do portal Ano Zero, siga-nos nas nossas redes sociais e assine a nossa newsletter para receber nossos e-mails feitos com todo carinho e cuidado.

Compartilhe