Sua dieta pode estar causando ansiedade e depressão

Sua dieta pode estar causando ansiedade e depressão

Em Ciência por Derek BeresComentário

Você é o que você come. Nós conhe­ce­mos essa ideia de dieta há muito tempo, mas a obser­va­ção de Michael Pol­lan foi além: você é aquilo o que sua comida come.

Isso é espe­ci­al­mente rele­vante quando esco­lhe­mos entre ali­men­tos nutri­dos com capim ou por grãos, ou entre sal­mão sel­va­gem con­tra o de viveiro, por exem­plo.

Uma cons­ci­ên­cia cres­cente da nutri­ção e da neu­ro­ci­ên­cia está nos aju­dando a enten­der o quão real­mente impor­tante é o que você come (e o que come o que você come), mesmo Hipó­cra­tes tendo dito que ‘toda doença começa no intes­tino’ mais de 2.300 anos atrás.

Claro, nós sabe­mos que a obe­si­dade e os níveis de ener­gia são dita­dos pelo que colo­ca­mos em nosso estô­mago. Reco­nhe­cer que ansi­e­dade e depres­são, pelo menos em parte, tam­bém deriva de nutri­ção está mudando a forma como vemos a maior ques­tão da saúde.

Ques­tão essa que diz res­peito a bac­té­rias.

Por anos elas foram nos­sas ini­mi­gas, pro­pa­ga­das por empre­sas de higi­ene como demô­nios encar­na­dos. Enquanto desin­fe­tan­tes são extre­ma­mente impor­tan­tes na sala de ope­ra­ções e for­ças arma­das, há algo a ser dito sobre a sabe­do­ria popu­lar de se sujar um pouco para cons­truir o seu sis­tema imu­no­ló­gico.

A ver­da­deira ques­tão aqui é: que tipo de bac­té­rias são sau­dá­veis?

bactérias

Infe­liz­mente não há uma res­posta sim­ples. Micro­bi­o­mas de todo o mundo são dife­ren­tes. O que falta em mim pode ter em você de sobra. 40 milhões de bac­té­rias de kom­bu­cha não podem fazer muito por você — e por isso o movi­mento de “comér­cio sau­dá­vel” é mui­tas vezes mais modismo do que efi­caz.

A con­versa entre nosso intes­tino e cére­bro é uma das mais impor­tan­tes do nosso corpo.

Um estudo no ano pas­sado mos­trou que mudar as bac­té­rias em ratos e seres huma­nos parece afe­tar seu humor, incluindo uma redu­ção na ansi­e­dade. Na ver­dade, os seres huma­nos são mais micró­bios que ani­mais, con­si­de­rando que para cada gene humano no nosso corpo há 360 genes micro­bi­a­nos.

Como afirma a escri­tora cien­tí­fica Laura San­ders,

célu­las huma­nas e bac­té­rias evo­luí­ram jun­tas, como um par de árvo­res entre­la­ça­das, cres­cendo e adap­tando-se em um ecos­sis­tema (prin­ci­pal­mente) har­mo­ni­oso.

As bac­té­rias pre­ju­di­ci­ais podem estar em ascen­são, tendo em conta as esta­tís­ti­cas. Mais de um quarto dos ame­ri­ca­nos adul­tos sofrem de algum tipo de trans­torno men­tal, enquanto outros 40 milhões de ame­ri­ca­nos têm trans­tor­nos de ansi­e­dade — 10% dos ame­ri­ca­nos rece­bem uma pres­cri­ção para um dis­túr­bio de humor.

Depres­são, escreve o neu­ro­lo­gista David Perl­mut­ter, afeta 1 em cada 10 ame­ri­ca­nos e é agora a prin­ci­pal causa de inca­pa­ci­dade em todo o mundo. E, ele argu­menta, o que está acon­te­cendo em nosso intes­tino desem­pe­nha um papel enorme no pre­sente.

Perl­mut­ter não para em ansi­e­dade e depres­são, no entanto. Sua pes­quisa tem sido refe­ren­ci­ada a uma série de doen­ças em saúde intes­ti­nal, incluindo a doença de Par­kin­son, Alzhei­mer, autismo, dores de cabeça crô­ni­cas e muito mais.

Ele escreve,

o micro­bi­oma afeta nosso humor, libido, meta­bo­lismo, imu­ni­dade e até mesmo nossa per­cep­ção do mundo e a cla­reza de nos­sos pen­sa­men­tos… Sim­pli­fi­cando, tudo em nossa saúde — que sen­ti­mos emo­ci­o­nal e fisi­ca­mente — depende do estado do nosso micro­bi­oma.

Tendo sofrido anos de afli­ção gas­troin­tes­ti­nal, tro­quei recen­te­mente de uma dieta vege­ta­ri­ana de longa data para uma prin­ci­pal­mente paleo.

Enquanto a inges­tão de pro­teína ani­mal cer­ta­mente fez a dife­rença, o mais impor­tante é o que removi: grãos de soja, milho e fei­jão. Para vege­ta­ri­a­nos, estes são itens bási­cos. Dado o meu estado per­pé­tuo de dor de estô­mago, no entanto, sabia que tinha o poder de mudar estas rea­ções de ali­mento óbvias.

E fun­ci­o­nou: esses meus pro­ble­mas agora são pra­ti­ca­mente ine­xis­ten­tes. Ainda mais sur­pre­en­dente é a ausên­cia de dor crô­nica do ombro e joe­lho de lesões pré­vias.

Mas a maior reve­la­ção foi minha falta de ansi­e­dade.

Desde meus dezes­seis anos, sofria ata­ques de pânico. Uma vez mudei minha dieta de car­boi­dra­tos pesa­dos para uma de alto teor de gor­dura, e não tive uma única ins­tân­cia de ansi­e­dade. A remo­ção de açú­car na mai­o­ria da minha dieta foi a chave.

A dieta importa. Assim como reli­gião, as pes­soas tor­nam-se muito liga­das a suas esco­lhas ali­men­ta­res, mesmo que suas deci­sões este­jam matando ou inca­pa­ci­tando-as.

A comida sozi­nha não dita nossa saúde, mas é uma voz impor­tante na con­versa entre o nosso corpo e nosso ambi­ente.

O médico Mark Hyman adverte para não ser­mos come­do­res de carne

que bebem muito álcool, fumam, não comem legu­mes e con­so­mem pouca fibra e óleos mais refi­na­dos, açú­ca­res e car­boi­dra­tos refi­na­dos… O pro­blema não é a carne ver­me­lha. São as bac­té­rias do intes­tino. Comer as fibras cer­tas (como o amido resis­tente), tomar pro­bió­ti­cos e evi­tar os anti­bió­ti­cos é parte de um plano bom para cul­ti­var seu jar­dim inte­rior.

As seis cha­ves essen­ci­ais de Perl­mut­ter para criar um micro­bi­oma ideal são: “pre­bió­ti­cos, pro­bió­ti­cos, fer­men­ta­ção de ali­men­tos, ali­men­tos de baixo car­boi­drato, ali­men­tos sem glú­ten e gor­dura sau­dá­vel.” E, claro, uma redu­ção séria em açú­car.

Para mim, mudar minha ali­men­ta­ção diá­ria foi cru­cial, assim como eli­mi­nar o alto açú­car da água de coco do alto teor de gor­dura de leite de coco em minha batida pela manhã, cor­tando em bagas e adi­ci­o­nando mais nozes.

A reve­la­ção mais impor­tante foi a mudança ime­di­ata na minha ener­gia men­tal e física. Enquanto alguém que tra­ba­lha e ensina ioga e fit­ness, seis dias por semana, estou ficando mais forte, mais rápido e mais magro.

Minhas falhas do meio-dia se foram, meu sono ficou mais repou­sante. Não man­ter meu corpo em um estado cons­tante de infla­ma­ção tem feito coi­sas mara­vi­lho­sas para minha car­reira e vida pes­soal.

Para os milhões de seres huma­nos que sofrem de depres­são, ansi­e­dade e uma série de outras doen­ças, inves­ti­gar sua dieta pode ser a peça fun­da­men­tal no pro­cesso de cura.

Qual­quer sacri­fí­cio desis­tindo de esco­lhas ali­men­ta­res habi­tu­ais empa­li­dece em com­pa­ra­ção com as pos­sí­veis mudan­ças físi­cas e emo­ci­o­nais que se pode obter ao pres­tar aten­ção ao que você colo­cou den­tro do seu corpo.


Finan­cie o AZ e nos man­te­nha pro­du­zindo ótimo con­teúdo. CLIQUE AQUI.


Você pode que­rer ler tam­bém:

Por que é impos­sí­vel ser real­mente vege­ta­ri­ano
Boas novas! A mas­tur­ba­ção traz bene­fí­cios à saúde

Derek Beres
Derek Beres, um autor de Los Angeles, produtor musical e instrutor de ioga/fitness, olha um leque de questões que afetam várias comunidades espirituais do mundo em uma tentativa de peneirar hipérboles e encontrar soluções verdadeiramente universais para problemas prevalentes que a humanidade enfrenta no século XXI.

Compartilhe