Você é o que você come. Nós conhecemos essa ideia de dieta há muito tempo, mas a observação de Michael Pollan foi além: você é aquilo o que sua comida come.

Isso é especialmente relevante quando escolhemos entre alimentos nutridos com capim ou por grãos, ou entre salmão selvagem contra o de viveiro, por exemplo.

Uma consciência crescente da nutrição e da neurociência está nos ajudando a entender o quão realmente importante é o que você come (e o que come o que você come), mesmo Hipócrates tendo dito que ‘toda doença começa no intestino’ mais de 2.300 anos atrás.

Claro, nós sabemos que a obesidade e os níveis de energia são ditados pelo que colocamos em nosso estômago. Reconhecer que ansiedade e depressão, pelo menos em parte, também deriva de nutrição está mudando a forma como vemos a maior questão da saúde.

Questão essa que diz respeito a bactérias.

Por anos elas foram nossas inimigas, propagadas por empresas de higiene como demônios encarnados. Enquanto desinfetantes são extremamente importantes na sala de operações e forças armadas, há algo a ser dito sobre a sabedoria popular de se sujar um pouco para construir o seu sistema imunológico.

A verdadeira questão aqui é: que tipo de bactérias são saudáveis?

bactérias

Infelizmente não há uma resposta simples. Microbiomas de todo o mundo são diferentes. O que falta em mim pode ter em você de sobra. 40 milhões de bactérias de kombucha não podem fazer muito por você – e por isso o movimento de “comércio saudável” é muitas vezes mais modismo do que eficaz.

A conversa entre nosso intestino e cérebro é uma das mais importantes do nosso corpo.

Um estudo no ano passado mostrou que mudar as bactérias em ratos e seres humanos parece afetar seu humor, incluindo uma redução na ansiedade. Na verdade, os seres humanos são mais micróbios que animais, considerando que para cada gene humano no nosso corpo há 360 genes microbianos.

Como afirma a escritora científica Laura Sanders,

células humanas e bactérias evoluíram juntas, como um par de árvores entrelaçadas, crescendo e adaptando-se em um ecossistema (principalmente) harmonioso.

As bactérias prejudiciais podem estar em ascensão, tendo em conta as estatísticas. Mais de um quarto dos americanos adultos sofrem de algum tipo de transtorno mental, enquanto outros 40 milhões de americanos têm transtornos de ansiedade — 10% dos americanos recebem uma prescrição para um distúrbio de humor.

Depressão, escreve o neurologista David Perlmutter, afeta 1 em cada 10 americanos e é agora a principal causa de incapacidade em todo o mundo. E, ele argumenta, o que está acontecendo em nosso intestino desempenha um papel enorme no presente.

Perlmutter não para em ansiedade e depressão, no entanto. Sua pesquisa tem sido referenciada a uma série de doenças em saúde intestinal, incluindo a doença de Parkinson, Alzheimer, autismo, dores de cabeça crônicas e muito mais.

Ele escreve,

o microbioma afeta nosso humor, libido, metabolismo, imunidade e até mesmo nossa percepção do mundo e a clareza de nossos pensamentos… Simplificando, tudo em nossa saúde — que sentimos emocional e fisicamente — depende do estado do nosso microbioma.

Tendo sofrido anos de aflição gastrointestinal, troquei recentemente de uma dieta vegetariana de longa data para uma principalmente paleo.

Enquanto a ingestão de proteína animal certamente fez a diferença, o mais importante é o que removi: grãos de soja, milho e feijão. Para vegetarianos, estes são itens básicos. Dado o meu estado perpétuo de dor de estômago, no entanto, sabia que tinha o poder de mudar estas reações de alimento óbvias.

E funcionou: esses meus problemas agora são praticamente inexistentes. Ainda mais surpreendente é a ausência de dor crônica do ombro e joelho de lesões prévias.

Mas a maior revelação foi minha falta de ansiedade.

Desde meus dezesseis anos, sofria ataques de pânico. Uma vez mudei minha dieta de carboidratos pesados para uma de alto teor de gordura, e não tive uma única instância de ansiedade. A remoção de açúcar na maioria da minha dieta foi a chave.

A dieta importa. Assim como religião, as pessoas tornam-se muito ligadas a suas escolhas alimentares, mesmo que suas decisões estejam matando ou incapacitando-as.

A comida sozinha não dita nossa saúde, mas é uma voz importante na conversa entre o nosso corpo e nosso ambiente.

O médico Mark Hyman adverte para não sermos comedores de carne

que bebem muito álcool, fumam, não comem legumes e consomem pouca fibra e óleos mais refinados, açúcares e carboidratos refinados… O problema não é a carne vermelha. São as bactérias do intestino. Comer as fibras certas (como o amido resistente), tomar probióticos e evitar os antibióticos é parte de um plano bom para cultivar seu jardim interior.

As seis chaves essenciais de Perlmutter para criar um microbioma ideal são: “prebióticos, probióticos, fermentação de alimentos, alimentos de baixo carboidrato, alimentos sem glúten e gordura saudável.” E, claro, uma redução séria em açúcar.

Para mim, mudar minha alimentação diária foi crucial, assim como eliminar o alto açúcar da água de coco do alto teor de gordura de leite de coco em minha batida pela manhã, cortando em bagas e adicionando mais nozes.

A revelação mais importante foi a mudança imediata na minha energia mental e física. Enquanto alguém que trabalha e ensina ioga e fitness, seis dias por semana, estou ficando mais forte, mais rápido e mais magro.

Minhas falhas do meio-dia se foram, meu sono ficou mais repousante. Não manter meu corpo em um estado constante de inflamação tem feito coisas maravilhosas para minha carreira e vida pessoal.

Para os milhões de seres humanos que sofrem de depressão, ansiedade e uma série de outras doenças, investigar sua dieta pode ser a peça fundamental no processo de cura.

Qualquer sacrifício desistindo de escolhas alimentares habituais empalidece em comparação com as possíveis mudanças físicas e emocionais que se pode obter ao prestar atenção ao que você colocou dentro do seu corpo.


Financie o AZ e nos mantenha produzindo ótimo conteúdo. CLIQUE AQUI.


Você pode querer ler também:

Por que é impossível ser realmente vegetariano
Boas novas! A masturbação traz benefícios à saúde

escrito por:

Derek Beres

Derek Beres, um autor de Los Angeles, produtor musical e instrutor de ioga/fitness, olha um leque de questões que afetam várias comunidades espirituais do mundo em uma tentativa de peneirar hipérboles e encontrar soluções verdadeiramente universais para problemas prevalentes que a humanidade enfrenta no século XXI.