Placa com "Tudo o que você puder comer". Buffet livre. Para o artigo "O Prazer de Comer Com Moderação", de GEDBioética.

O prazer de comer com moderação

Em Comportamento, Série Estoicismo por GEDbioéticaComentário

Por Dr. Ray­mond Bois­vert


Tudo o que você pode comer.” e “Cer­veja gelada.” são slo­gans fei­tos para atrair, quando deve­riam, na ver­dade, repe­lir.

O que há com a gente, que acha­mos atra­ente o apelo no ali­mento pela quan­ti­dade; em um líquido tão gelado de modo que as suti­le­zas do sabor desa­pa­re­çam?

Por um longo período, a ava­li­a­ção, deter­mi­nando o que é mais digno de sele­ção, foi domi­nada por temas fami­li­a­res: mode­ra­ção, limite e equi­lí­brio. Tome os anti­gos con­se­lhos gre­gos: “Conhece a ti mesmo” e “Nada em Excesso.

inscricao-grega | O Prazer de Comer Com Moderação - GEDBioética.

Estes estão inti­ma­mente rela­ci­o­na­dos.

Ao conhe­cer a nós mes­mos, (1) per­ce­be­mos a impor­tân­cia de alcan­çar a mode­ra­ção, o ideal entre os extre­mos. Por sua vez, a mode­ra­ção faz pouco sen­tido sem (2) uma apre­ci­a­ção por limi­tes e (3) um senso de múl­ti­plas variá­veis que têm de ser man­ti­das em equi­lí­brio.

O mundo de ali­men­tos ofe­rece bons exem­plos: sal, açú­car, gor­dura. Cada um deles é bom, com mode­ra­ção, den­tro de limi­tes, como parte de uma dieta equi­li­brada.

A filo­so­fia do “nada em excesso” pre­va­le­ceu por um longo período. Como qual­quer posi­ção, pode ser empur­rada para exces­sos de si pró­pria. “Limi­tes” se trans­for­mam em estru­tu­ras soci­ais rígi­das e códi­gos morais opres­si­vos.

Assim o mundo moderno, pós-renas­cen­tista, foi inau­gu­rado por um desa­fio aos limi­tes. A era moderna foi liber­tá­ria. Liber­dade, isto é, rejei­tando limi­tes, res­tri­ções e limi­ta­ções, tor­nou-se o maior bem.liberdade-libertacao | O Prazer de Comer Com Moderação - GEDBioética.

Um resul­tado posi­tivo foi a cri­a­ção de repú­bli­cas demo­crá­ti­cas. Porém, mais uma vez, a regra “nada em excesso” veio a ser vio­lada. Não ape­nas vio­lada, mas a pró­pria regra foi ques­ti­o­nada.

Limi­tes tor­na­ram-se intrin­se­ca­mente ruins. Tudo pre­ci­sava ser trans­gre­dido, sub­ver­tido e supe­rado. Temos aqui um padrão: o exa­gero. Ten­ta­ti­vas apro­pri­a­das de reforma aca­bam sendo domi­na­das por sim­pli­fi­ca­ções e ata­lhos.

Nada ofe­rece um ata­lho mais con­ve­ni­ente do que medi­das quan­ti­ta­ti­vas. Tal movi­mento tam­bém ajuda a incen­ti­var uma outra ten­ta­ção humana: a fuga da res­pon­sa­bi­li­dade. Em vez de res­pon­sa­bi­li­dade, pro­cu­ra­mos algo­rit­mos puros e fór­mu­las fáceis de seguir.

A posi­ção do “nada em excesso” difi­culta a fuga da res­pon­sa­bi­li­dade. A mode­ra­ção, por sua natu­reza, é um alvo elu­sivo. O sucesso depende de mui­tos fato­res: cir­cuns­tân­cias indi­vi­du­ais, o con­junto certo de ide­ais, tra­di­ção, expe­ri­ên­cia e pro­vas de espe­ci­a­lis­tas.

Esta mis­tura difi­cil­mente for­nece um claro e sim­plista ‘basta seguir este’ algo­ritmo. Em outras pala­vras, a incer­teza e ansi­e­dade são incor­po­ra­das no modelo do “nada em excesso”.

responsabilidade-responsability | O Prazer de Comer Com Moderação - GEDBioética.

Como con­tor­nar a incer­teza? Mini­mi­zar a ansi­e­dade? Redu­zir a res­pon­sa­bi­li­dade? Sim­ples: aban­done a filo­so­fia do “nada em excesso” e adote uma abor­da­gem de “desa­fio dos limi­tes e busca de medi­das quan­ti­ta­ti­vas”.

Algo “bom” agora pode sig­ni­fi­car (a) igno­rar os limi­tes, bus­cando sem­pre superá-los, (b) igno­rar o equi­lí­brio por meio da maxi­mi­za­ção de um resul­tado, e © igno­rar a mode­ra­ção, ori­en­tando-se por meio de medi­das quan­ti­ta­ti­vas.

O cien­tista social e ana­lista de opi­nião pública Daniel Yan­ke­lo­vich des­cre­veu essa última estra­té­gia:

O pri­meiro passo é medir qual­quer coisa que possa ser facil­mente medida. Tudo bem até aqui, na medida do pos­sí­vel.

O segundo passo é des­con­si­de­rar o que não pode ser facil­mente medido ou dar-lhe um valor quan­ti­ta­tivo arbi­trá­rio. Isto é arti­fi­cial e ilu­só­rio.

O ter­ceiro passo é a pre­sun­ção de que, se não pode ser medido facil­mente, real­mente não é impor­tante. Esta é a cegueira.

O quarto passo é dizer que aquilo que não pode ser facil­mente medido real­mente não existe. Isso é sui­cí­dio.”

O ter­ceiro passo é onde “tudo que você pode comer” e “cer­veja gelada” se encai­xam. A sim­pli­fi­ca­ção, o ata­lho, é claro: o melhor “negó­cio” for­nece o maior volume de comida pelo preço; a melhor cer­veja é a gelada ao máximo.

Ambos os padrões são men­su­rá­veis. Ambos estão limi­ta­dos a um único fator. Ambos rejei­tam limi­tes. Nenhum almeja o ideal entre os extre­mos. Ambos, na ver­dade, iden­ti­fi­cam algo “bom” como a rejei­ção da mode­ra­ção.

Então por que somos atraí­dos por esses con­vi­tes? Nós assu­mi­mos uma ati­tude sobre “conhe­cer a si mesmo” que é bas­tante dife­rente da “nada em excesso”.

O auto­co­nhe­ci­mento atual é um con­junto de dese­jos que bus­cam satis­fa­ção. A “boa” vida é aquela que maxi­miza a satis­fa­ção dos dese­jos, que­bra limi­tes, e encon­tra con­forto em padrões quan­ti­ta­ti­vos.

mercado-comida-consumidores | O Prazer de Comer Com Moderação - GEDBioética.

Em suma, a res­posta de hoje para “conhe­cer a si mesmo” é “Eu sou um con­su­mi­dor.”

O “cida­dão” de repú­bli­cas anti­gas e moder­nas deu lugar ao “con­su­mi­dor”. “Tudo o que você pode comer” acaba por ser um canto de sereia. É um cha­mado para sen­tir-se bem, não dei­xando os outros limi­ta­rem você.

No final, porém, Nême­sis, a deusa grega da puni­ção, retorna. A sub­ver­são dos limi­tes da comida vem com um custo não mone­tá­rio ine­vi­tá­vel: sobre­peso e pre­juízo à saúde.

Nosso sis­tema de valor é muito dis­tor­cido. Sinais como “Tudo o que você pode comer” e “cer­veja gelada” deve­riam enviar um sinal claro: fique longe.

excesso-de-comida-e-bebida-gelada | O Prazer de Comer Com Moderação - GEDBioética.


Conheça o livro “Penso, Logo Como”, de Ray­mond Bois­vert.


 Você pode que­rer ler tam­bém:

Sua dieta pode estar cau­sando ansi­e­dade e depres­são
A Eco­no­mia da Obe­si­dade

GEDbioética
Fundado em 2012 na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, o GEDbioética tem como objetivo criar um ambiente favorável ao debate multi e interdisciplinar, disseminando a bioética de forma interativa. Além disso, criar um vínculo com a sociedade, a qual é essencial para a construção do conhecimento.

Compartilhe