Não vou comentar as supostas ligações do Alexandre de Moraes com o PCC e o crime organizado, nem que ele foi Secretário dos Transportes do Kassab em uma época de bastante suspeita em relação à idoneidade da Companhia de Engenharia de Trafego de São Paulo e da SPTRANS. Não vou comentar que ele parece ser um péssimo professor na faculdade de Direito, nem que como Ministro da Justiça ele viu diversas rebeliões grotescas explodirem em presídios.

Em suma, não vou comentar que o cara parece ser incompetente em basicamente tudo que faz.

Vou me focar em uma só questão: esse sujeito declarou (em uma operação midiática cafona) que pretendia erradicar a maconha no continente americano. A Guerra às Drogas, com todo o poderio militar dos EUA, tem sido um retumbante fracasso, gerando violência, morte e mais poder para o tráfico, os cartéis e as organizações criminosas no geral.

Nosso herói, o Exterminador de Maconha: Alexandre de Moraes.
Nosso herói, o Exterminador de Maconha.

Para qualquer pessoa sã, é óbvio e patente que “erradicar a maconha” é impossível, um devaneio, uma loucura. A partir disso, temos algumas alternativas, todas ruins:

A) Temer e Moraes realmente acreditam que seja possível erradicar a maconha.

Nesse caso, tanto o presidente quanto o novo ministro do STF são estúpidos/insanos em um nível assustador. E isso deveria torná-los inaptos a exercer qualquer cargo de alto nível. Acreditar nesse tipo de maluquice demonstra uma desconexão grotesca com a realidade.

B) Temer sabe que é impossível erradicar a maconha, Moraes acredita ser possível.

Nesse caso, Temer não é louco, mas aceita (por politicagem/troca de favores, provavelmente) indicar para a mais alta Corte do país uma pessoa que ele sabe ser demente. Fica claro que para o presidente, a agenda política é mais importante do que garantir que o STF não possua uma pessoa estúpida entre os ministros.

C) Tanto Alexandre de Moraes quanto Temer sabem que é impossível erradicar a maconha, Moraes só falou aquilo para “jogar para a torcida” conservadora.

Essa opção é bem triste: o cinismo é um pouco melhor do que a burrice. E isso indica que a visão que Alexandre de Moraes e o Presidente têm da população é baixíssima: eles acreditam que o “público” compraria essa afirmação anti-drogas absurda. Deixando claro, os dois acham que o povo é burro o suficiente pra comprar essa babaquice, e estão contando com isso.

Todas as alternativas apontam sinais preocupantes: ou o governo é extremamente estúpido, ou ele joga afirmações estúpidas achando que todo mundo vai aceitá-las. Se Temer vê algum potencial negativo em sua indicação derivado do fato de que o indicado é demente, ele considera isso menos importante do que o apoio político (Moraes é filiado ao PSDB e ligado ao Alckmin) que a indicação pode comprar. Em resumo: Temer está cagando para as consequências negativas da indicação, contanto que ganhe apoio com isso.

Felizmente (!), esse governo está marcado até agora por ser um governo que recua (sua melhor característica). Isso já aconteceu diversas vezes. A indicação ainda não aconteceu, e pode ser barrada no Senado. Acho que evitar que o idiota que quer “erradicar a maconha” e talvez seja ligado ao PCC assuma uma cadeira no tribunal que pode descriminalizar as drogas é a batalha política mais essencial do momento. Esse governo é fraco – se sair gente na rua eles voltam atrás. Tem que bater até recuar.

Guilherme Assis
Tem 25 anos, trabalha com audiovisual e sempre se disse de esquerda. A definição mudou, mas ele continua o mesmo - sempre na oposição.
  • Marcos Raibolt

    30% por cento do texto para dizer que não vai comentar algo que comentou….

    • Zenio Silva

      Há que distinguir ‘menção’ de ‘comentário’! Fora isso o que muda no que diz respeito à essa indicação bizarra?!

      • Marcos Raibolt

        No contexto, não tem diferença alguma. Não houve menção, houve juízo de valor sobre atos do Ministro, a questão é o seu entendimento do que é menção ou comentário. Quanto à indicação, prefiro não tecer comentários sobre uma pessoa que até duas semanas atrás ninguém, ou quase ninguém conhecia. Esperemos para falar.

        • Zenio Silva

          A questão é teu entendimento sobre mencionar e comentar que não distingue uma coisa dá outra, e não importa o contexto!
          Outra coisa interessante é essa tua afirmação de que pouca gente sabia quem era essa figura antes da nomeação ministerial é essa indicação, reafirmo, bizzarras para o STF! Sugiro que fales somente por ti que, pelo visto não anda bem informado sobre os antecedentes do golpe em curso…

          • Marcos Raibolt

            putz, parei no golpe…abraço!

          • Zenio Silva

            Parei no golpe?!
            Foi bem…
            Abraço…

          • Marcos Raibolt

            Discorra ae prof, pelo visto sabe tudo sobre tudo….não reconheço governo golpista!!!!!!

  • Concordo integralmente com o texto. Moraes é inepto. É um desserviço à justiça tê-lo na mais alta corte do país. Sua opinião sobre a maconha está entre a estupidez e o risível.

    Tendo isto dito, achei o texto fraco e emotivo. Sobrou adjetivos e faltou argumentação. Os textos do Ano Zero, em geral, possuem um nível mais alto de conteúdo e crítica.