12 tipos de pessoas que você vai encontrar em todo Hostel

Em Tempo de Curtir por Tim UrbanComentário

(Tra­du­ção auto­ri­zada por Tim Urban, autor do texto ori­gi­nal em inglês, publi­cado no site Wait But Why)


Quando algu­mas pes­soas via­jam, a sua aco­mo­da­ção no lugar de des­tino está rela­ci­o­nada com pala­vras como “cham­pa­nhe”, “spa”, “mimos”, “ter­raço”, “per­fu­mado”, “mara­vi­lhoso”, “már­more”, “espa­çoso” e “robe”.

E do outro lado disso tudo há você.

Você é o tipo de pes­soa que acaba em um site como esse, e a sua via­gem é muito pior.

Você pode estar fami­li­a­ri­zado com o vasto mundo dos hos­tels, um mundo que per­so­ni­fica tanto as melho­res qua­li­da­des da raça humana quanto seus mais irri­tan­tes defei­tos. É uma cul­tura que con­se­gue simul­ta­ne­a­mente ser uma uto­pia liber­tá­ria de men­tes-aber­tas, acei­ta­ção e diver­si­dade — mas tam­bém uma fábrica de bizar­ri­ces. Se Gandhi se aca­sa­lasse com o seu colega mais imbe­cil da facul­dade, os filhos deles seriam hos­tels.

Hos­tels são tudo o que o mundo deve­ria ser e tudo que o mundo não deve­ria ser ao mesmo tempo.

E enquanto cada hos­tel é único, a mul­ti­dão que passa por cada um deles tende a ser mais ou menos a mesma. Hoje vamos ape­nas arra­nhar a super­fí­cie, ana­li­sando os 12 tipos de pes­soas mais comuns:

1) O cara que toca violão no hostel

01

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: capaz de fazer sérias expres­sões faci­ais e emo­ci­o­nar-se con­sigo mesmo enquanto toca.

Dura­ção da sua via­gem: 10 sema­nas.

Ele pre­ci­sou encon­trar um lugar para seu vio­lão no com­par­ti­mento de baga­gem do avião, o que não foi fácil. Ele man­teve o vio­lão em seu colo no ôni­bus lotado. Ele car­re­gou seu vio­lão por um quilô­me­tro e meio a pé da esta­ção de ôni­bus até o hos­tel.

Mas, sen­tar lá no sofá, dedi­lhando as doces do vio­lão e incor­po­rando lite­ral­mente tudo o que há de mais belo na música — isso faz tudo ter valido a pena para o Cara que Toca Vio­lão no Hos­tel.

2) O cara de 38 anos fazendo de conta que tem 24

02 

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: Vai fundo nas bala­das; rugas.

Dura­ção da sua via­gem: 2 sema­nas

Há três tipos de caras que você encon­trará em hos­tels:

1) Os bró­ders (idade 19–32);

2) O homens (idade 33–70);

3) O cara-de-38-anos que sim­ples­mente pros­se­gue fin­gindo que ele ainda é um bró­der e ele real­mente apre­cia quando você engole essa e não diz nada a res­peito.

Cada hos­tel tem um cara que é um pouco velho demais para agir como um bró­der. Ele sabe que tem 38, você sabe que ele tem 38, e esse é só o jeito dele. Ele real­mente não se importa com o que você pensa, pois ele nunca mais vai ver você de novo mesmo.

3) Os americanos que agem como se fosse seu primeiro dia fora da faculdade

03

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: Baru­lhen­tos; entu­si­as­ma­dos; doi­dos para des­pe­jar um monte de pala­vras sobre um monte de coi­sas para um monte de pes­soas.

Dura­ção da sua via­gem: 8 dias.

Você os iden­ti­fi­cará assim que os ver. Eles são jovens, tem olhos arre­ga­la­dos e estão con­vic­tos de que essa é a pri­meira via­gem de mochi­leiro de todo mundo no hos­tel, não só deles. Quando eles saem do hos­tel, vão até um res­tau­rante para fazer cinco vezes mais baru­lho do que a segunda mesa mais baru­lhenta do lugar.

4) O cara que trouxe apenas duas mudas de roupas

04

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: Ami­gá­vel; fedo­rento.

Dura­ção da via­gem: 6 meses.

Via­jan­tes prin­ci­pi­an­tes car­re­gam mui­tas coi­sas. Via­jan­tes expe­ri­en­tes levam con­sigo pou­cas coi­sas. E depois deles há esse cara, que trouxe ape­nas duas mudas de rou­pas.

Há coi­sas na vida sobre as quais você é capaz de duvi­dar, mas você nunca terá dúvi­das se esse cara está ou não na mesma sala que você.

5) As pessoas que fazem você se sentir mal em relação a si mesmo pois não está num grupo descolado de amigos como elas.

05

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: Gar­ga­lha­das; con­tar his­tó­rias sobre a noite pas­sada; ter pla­nos diver­ti­dos para esta noite; e você não está con­vi­dado.

Dura: 5 sema­nas.

Lá estão elas, diver­tindo-se, tirando sarro uns dos outros, e tudo o que você pode fazer é ape­nas olhar com von­tade de par­ti­ci­par. Não, você não está no grupo, e não, você não foi con­vi­dado para o que elas farão a seguir. Como você está sozi­nho, os baru­lhos que fazem durante sua hilá­ria brin­ca­deira com bebi­das serve como lem­brete do quanto você se sente soli­tá­rio nesse país, pla­neta e uni­verso.

 

6) As pessoas que pronunciam os nomes dos lugares com o sotaque correto

06

Carac­te­rís­tica Defi­ni­dora: Lín­guas que se dobram; uma face con­cen­trada quando suas lín­guas se dobram.

Dura­ção da via­gem: 1 mês.

Você encon­trará essas pes­soas ao redor de todo o mundo, mas em nenhum lugar eles se mul­ti­pli­cam mais do que na Amé­rica Latina. Para ser claro, elas não visi­tam Bue­nos Aires, Argen­tina. Elas visi­tam Bue­nos­sai­res, Ar-ren­tina. Elas coroam sua ence­na­ção com 0% de cons­tran­gi­mento por esta­rem fin­gindo tam­bém serem daquele país. E elas olha­rão você direto nos olhos sem um traço de riso nos lábios enquanto sons típi­cos dos habi­tan­tes locais rolam pela sua lín­gua.

7) O fanático pelo Lonely Planet

07

Carac­te­rís­tica Defi­ni­dora: Lerem o Lonely Pla­net o tempo todo.

Dura­ção da via­gem: 15 dias.

Você iden­ti­fica um deles quando seu exem­plar do Lonely Pla­net parece ser de 1936, mesmo que tenha sido com­prado na semana pas­sada. Seu rela­ci­o­na­mento com o livro é íntimo, intenso e apai­xo­nado.

8) A europeia sorridente com a qual você passaria o resto dos seus dias, apesar de você nunca ter conversado com ela, mas só porque ela sorriu para você em um momento e agora o seu dia foi arruinado.

08 

Carac­te­rís­tica Defi­ni­dora: Sor­ri­dente; arrui­na­dora de dias.

Dura­ção da via­gem: 2 meses.

Vamos ao pró­ximo item.

9) O cara “sou o tipo de cara que conhece as pessoas que trabalham no hostel”

09

Dura­ção da via­gem: 3 mêses

Pra você saber, este cara está no cír­culo seleto do hos­tel. Ele pra­ti­ca­mente tra­ba­lha lá — ele vai indi­car a você o banheiro, repre­en­derá você por colo­car equi­vo­ca­da­mente o azeite de oliva comu­ni­tá­rio na pra­te­leira não-comu­ni­tá­ria e ele até mesmo ajuda os fun­ci­o­ná­rios a levar o lixo para a rua. Então…

10) A europeia calejada que não quer ser sua amiga.

10

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: Con­des­cen­dên­cia silen­ci­osa.

Dura­ção da via­gem: 4 meses.

Este é seu octa­gé­simo ter­ceiro país, e ela não está muito impres­si­o­nada com ele, e cer­ta­mente ela não está impres­si­o­nada com você. Ela sus­pira ao ver o faná­tico pelo Lonely Pla­net e ela bufa ao ver o super-entu­si­as­mado ame­ri­cano.

11) O casal ofensivamente feliz.

11

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: serem a droga de uma pequena equipe.

Dura­ção da via­gem: 2 sema­nas.

Bem eles não são fofos, com suas mochi­las que com­bi­nam e suas vivên­cias com­par­ti­lha­das. Oh, e vejam quem têm quí­mica demais para fica­rem no dor­mi­tó­rio comu­ni­tá­rio. Essas pes­soas têm pouca con­si­de­ra­ção por qual­quer via­jante dra­ma­ti­ca­mente soli­tá­rio que esteja pela vizi­nhança, esfre­gando na cara de todos os seus laços afe­ti­vos.

12) O cara que talvez esteja viajando por tempo demais.

12 

Carac­te­rís­ti­cas defi­ni­do­ras: chama os fun­ci­o­ná­rios da con­fei­ta­ria mais pró­xima pelo nome; não é bom em res­pon­der per­gun­tas sobre sua vida.

Dura­ção da via­gem: 2 anos e meio e ainda con­tando.

Ele está se diver­tindo menos do que cos­tu­mava, e desis­tiu do turismo há muito tempo, e ele agra­de­ce­ria se você real­mente não per­gun­tasse a sobre seu tra­ba­lho, a vida que levava na sua cidade natal, o seu rela­ci­o­na­mento com seus pai, ou as leis de seu país de ori­gem.


Wait But Why publica uma vez por semana. Nós envi­a­mos cada post por email para mais de 95.000 pes­soas – informe seu email aqui e colo­ca­re­mos você na lista (nós man­da­mos ape­nas um email por semana). Você pode tam­bém seguir Wait But Why no Face­book e  no Twit­ter.

Tim Urban
Formado em Ciências Políticas pela Harvard University, é autor do site Wait But Why e fundador da ArborBridge.

Compartilhe