(Esta é a tradução autorizada do artigo original, escrito por Mark Manson em seu site. Se você quer acompanhar os novos artigos em língua inglesa, clique aqui e assine a newsletter de Mark)


Pense em algo da sua vida que você queria muito fazer mas não conseguiu. Alguma coisa importante. Seja por você não ter chegado a tentar, por ser tímido demais para fazer ou por ter tentado mas falhado espetacularmente. Relembre em sua mente a maior derrota de sua vida, quem sabe você esteja bem no meio dela agora.

É desnecessário dizer que todos nós fracassamos. Isso é óbvio. Claro, alguns de nós são melhores nisso que outros, mas é também algo óbvio. E ainda há aqueles que enfileiram momentos de frustração ao longo de toda sua vida e fracassam de uma forma tão consistente que é algo que se aproxima da arte. Nos anos que passei ajudando os outros a superar seus desafios pessoais, frequentemente me perguntava qual foi a principa causa dos fracassos que testemunhei.

Algumas pessoas têm problemas com seus relacionamentos, alguns têm problemas com dinheiro, outros problemas de ansiedade, etc. Mas o maior problema que observei em muitas dessas pessoas não era algo específico dos relacionamentos, dinheiro ou confiança. É fácil descobrir como convidar alguém para sair, como começar um negócio ou como simplesmente fazer algo mesmo que sinta medo. Lidar com seu medo do abandono, ou com seus hábitos financeiros nocivos, ou com suas crenças autodepreciativas sobre o que os outros pensam de você? Isso é estar bem mais envolvido.

É provável que uma profunda luta em uma área de sua vida acabe afetando todos os outros aspectos de sua vida. Os motivos que causam uma derrota não tem qualquer limite. Os comportamentos e pensamentos que sabotam você em uma área de sua vida irão lhe perseguir em outras áreas. Essa hesitação em convidar alguém a sair provavelmente influencia a sua incapacidade de mudar-se para outra cidade ou procurar um novo emprego, a sua timidez perante colegas mais dominadores e o relacionamento passivo-agressivo que mantém com seus familiares.

Quando se confronta com as maiores oportunidades da vida, a maioria de nós se caga. E então elaboramos uma série de estratégias para evitar a dor e a preesão inerentes a tentar alcanças nossos sonhos. Abaixo seguem 10 das estratégias mais comuns para relutarmos. Vamos começar com uma análise mais superficial e depois vamos abrir caminho até as profundezas de nossa mente. Leia e chore.

1 – Você tem medo de se destacar na multidão.

Emerson escreveu o seguinte:

emerson-sociedade-conspira

A verdade é que as pessoas não gostam quando os outros mudam ou realizam algo que as fazem sentir desconfortáveis ou inseguras. Esforçar-se para realizar todo o seu potencial ameaça a complacência com que somos tratados pelos outros, lançando uma luz em seus próprios sonhos quebrados e em seu potencial não realizado. Em muitos casos, algumas pessoas até nos atacam, pois começam a se questionar, e isso é algo muito difícil para a maioria.

Noite passada conversei com um empreendedor da internet. Ele começou a vários empreendimentos on-line. Alguns falharam. Alguns fizeram dinheiro. Tudo isso foi luta. Ele passou um tempo viajando ao redor do mundo e voltou para casa para passar as férias, onde seu pai lhe disse prontamente que precisava “ser realista” e obter um emprego “normal”.

É um simples fato da vida: se você quer fazer algo incrível, algo que faz você se destacar acima do resto, então você tem que se sentir confortável sendo diferente do resto. As pessoas vão pensar que você é estranho, louco, egoísta, arrogante, irresponsável, detestável, estúpido, desrespeitoso, gordo, inseguro, feio, raso, etc. Aqueles mais próximos a você, muitas vezes, serão os mais severos. Se você tem autodefesas fracas ou não tem confiança em suas próprias ideias e sonhos, então não vai muito longe.

2. Você não é persistente o suficiente

Em 2009, o autor iniciante Karl Marlantes filamente publicou Matterhorn, um romance baseado em suas experiências na guerra do Vietnã. O livro foi um sucesso. O New York Times definiu-o como um dos mais profundos e devastantes livros já escritos sobre qualquer guerra“. Mark Bowden, escritor de Falcão Negro em Perigo: a História de uma Guerra Moderna, declarou que o livro de Marlantes era o maior livro já escrito sobre o Vietnã.

Levou mais de 35 anos até que Marlantes conseguisse publicar seu livro – mais do que a metade de sua vida. Ele reescreveu o manuscrito seis vezes. Durante as duas primeiras décadas, os editores mal conseguiam o ler, quem dirá o rejeitar.

A maioria de nós desiste rápido de algo pelo qual sente paixão. E qualquer um que teve sucesso tem uma história de esforço e perseverança para contar. Como diz o velho clichê, nada de valor vem fácil.

3. Você não tem humildade

Há muita gente que consegue uma pequena realização e decide que é um expert. Humildade é algo que não conhecem.

No mundo do marketing digital e dos negócios na internet, comecei a notar algo alguns anos atrás sobre os empreendimentos que conheci. As pessoas falavam demais, principalmente sobre o que fizeram, exageravam seus sucessos e faziam tudo para chamar a atenção para si – e elas eram apenas moderadamente bem sucedidas, na melhor das hipóteses; as vezes nem eram bem sucedidas, ou seja, elas ainda trabalhavam em outro emprego e moravam com seus pais. Ainda assim, estavam ansiosas para compartilhar suas gotas de sabedoria para qualquer pessoa que as ouvisse.

Mas as pessoas que eram legítimas milionárias e haviam conquistado suas fortunas desde o início, aquelas que realmente atingiram o cume da montanha do mundo dos negócios, frequentemente admitiam que não tinham as respostas e atenuavam o seu sucesso (ou em geral nem mesmo o mencionavam). Ao invés disso, elas regularmente apontavam seus pontos fracos e mencionavam que precisavam aprender mais.

Isso não pode ser coincidência.

4. Você não consegue criar uma rede de contatos e construir relacionamentos sólidos

Sou um solitário nato. E eu também sou maníaco por controlar meus projetos. Seja insegurança, obsessão ou simples arrogância, eu tenho problemas em deixar as pessoas influenciarem aquilo no qual estou trabalhando ou aquilo que me apaixona. É algo contraprodutivo. Isso uma vez afundou minhas aspirações de me tornar um músico profissional (uma área basicamente formada quase que inteiramente de redes de contato) e com certeza abandonei algumas das oportunidades que surgiram em meu empreendimento na internet por causa da minha hesitação em entrar em contato e me conectar com outras pessoas que poderiam me ajudar.

Costuma-se dizer que 66% das pessoas contratadas para um emprego conhecem alguém dentro da empresa que as contratou. Mas mesmo no mundo não-profissional, o isolamento pode fazer você desmoronar rapidamente. Ao invés de falhar, você simplesmente entra em depressão. Construir relacionamentos sociais e emocionais saudáveis depende da habilidade de conhecer pessoas e conectar-se com elas de uma forma significativa. As pesquisas mostram que viver sem contato social regular é tão prejudicial à saúde como fumar cigarros.

5. Você prefere questionar um conselho ao invés de aceitá-lo

Passagem garantida para ser um idiota: tentar ter razão ao invés de tentar ter humildade. Não importa o que seja, se você investe mais em discutir e debater seu ponto de vista com quem está tentando ajudar do que investe em aprimorar-se, então você definitivamente vai fracassar. E do alto de seus argumentos sabichões, você ainda assim é estúpido demais para perceber isso.

Para ser bem sucedido em alguma coisa, uma cadeia constante de opiniões precisa ocorrer: tentar algo -> receber opiniões e resultados -> aprender com as opiniões e resultados -> tentar algo diferente. Pessoas que são obcecadas em discutir sobre o porquê elas têm razão (apesar de não funcionar) estão efetivamente quebrando a cadeia ao não aceitar opiniões sobre o que está fazendo. Portanto, elas nunca vão mudar.

Não quer dizer que todo mundo deveria sempre ouvir conselhos de todo mundo, mas pelo menos você deveria saber aceitar opiniões sobre seu trabalho, acredite você ou não que são relevantes, e não ficar tentando discutir como se você sempre tivesse razão em tudo.

As pessoas que sofrem desse problema tendem a ser altamente inteligentes e extremamente inseguras. Essa é uma combinação prejudicial, pois quanto mais uma pessoa é inteligente, mais ela é capaz de racionalizar suas bobagens e encontrar justificativas para elas, e mais ela usará esse mecanismo de defesa para proteger seu ego frágil.

6. Você se distrai demais

Facebook, Twitter, Reddit, Imgur, email, Facebook de novo, volta para o Twitter, oh e essa história em quadrinhos divertida, publica no Facebook, confere o email de novo, mensagem no Facebook, fotos engraçadas de gatos, divulga as fotos no Twitter, procura no Buzzfeed por mais fotos de gatos, volta e faz tudo isso de novo.

Peço desculpas se acabo de descrever a maior parte do seu tempo desperto, mas os prejuízos de sofrer de desordem da atenção saturada não se limitam a interações medíocres nas redes sociais. No começo deste ano eu experimentei desistir de esportes e política por um mês. Fique espantado ao constatar como toda a informação que antes eu considerava vital e importante logo tornou-se besteira sem significado – informações sensacionalizadas com o propósito de me clicando e compartilhando, ao invés de informações úteis e que influenciariam minha vida.

7. Você não assume a responsabilidade pelo que acontece na sua vida

Sei que é tentador culpar algum fator externo por seus problemas, insistir que era impossível, que não foi culpa sua, e que você não poderia ter feito nada para mudar isso. Mas para resolver os problemas na sua vida, você precisa ter poder sobre eles. Você não pode ter poder sobre aspectos de sua vida ao menos que assuma responsabilidade sobre eles. Portanto, se você não assume responsabilidade pelo que ocorre a você, você fracassa.

Há várias situações na vida que parecem completamente injustas e insuportáveis, como se Deus tivesse decidido chutar o pau da sua barraca, e não há nada que você possa fazer a respeito.

8. Você não acredita que é possível

Não há nenhum poder sobrenatural aqui. As crenças inconscientes sobre as possibilidades determinam o nível de seu esforço e expectativa de sucesso. Por exemplo, há uma pesquisa que diz que atletas que alimentavam crenças positivas mas erradas sobre suas próprias habilidades acabavam superando atletas que possuíam crenças negativas mas corretas sobre suas próprias habilidades.

Além disso, as pessoas que superestimam o que são capazes de fazer tem mais probabilidade, você sabe, de levantar-se do sofá e tentar. E quando você tenta e aprende com suas falhas, você pode em algum momento chegar ao sucesso.

9. Você tem medo de se importar

Muitas pessoas pegam o vírus da indiferença. A elas falta uma verdadeira e autêntica paixão. Elas relutam em investir tudo de si mesmas em um projeto, empreendimento ou busca. Muitas desistem rapidamente. Outras perdem o interesse. E para algumas faltaentusiasmo para até mesmo começar.

A indiferença crônica é um mecanismo de defesa insidioso. Ela corrói a motivação e a vontade necessárias para superá-la. Inconscientemente, muitas pessoas não investem tudo de si mesmas em algo que potencialmente as pode levar ao fracasso, pois o fracasso pode levar a um monte de ideias que sua mente não está ainda preparada para encarar: questões sobre seu valor, competência, merecimento etc.

Olha, eu não sou Freud, mas pela minha experiência, pessoas aleijadas pela indiferença não a superam até que algum outro problema emocional seja arrancado do inconsciente, confrontado e superado.

10. No fundo, você não acha que merece o que deseja

Muitos (ou a maioria) dos itens acima na verdade são aspectos superficiais de uma causa mais profunda: acreditar que você não merece aquilo que quer. Muitos de nós, lá no fundo, têm crença e ideias arraigadas sobre si mesmas que não são muito lisonjeiras. Talvez você tenha se machucado um pouco enquanto crescia, talvez seus pais ou professores tenham dito em algum momento que você não conseguiria realizar nada, talvez você tenha sido punido por seus coleguinhas por ser mais inteligente que eles. Seja o que for, algo aconteceu. E como resultado alguma coisa dentro de você faz com que se sinta desconfortável com a ideia de conquistar grandes realizações.

O empreendedor e consultor de negócios Sebastian Marshall escreveu em seu livro Ikigai:

“Noite passada eu estava conversando com um amigo e disse: “se você fizer isso, estou certo que conseguirá seu primeiro cliente dentro de noventa dias”. E minha orientação deveria ser a principal coisa de sua vida nos próximos noventa dias, mas provavelmente funcionaria.

Seu principal objetivo naquele momento era a total independência financeira, e eu formulei um plano que o levaria até seu objetivo. Mas ele o seguiria? Perguntei.

Ele hesita e responde: “Não, não vou”.

– “Essa é a pergunta que vale um milhão de dólares: por que não vai?”

– “Eu não sei. Eu nem mesmo gosto de pensar nisso, pra falar a verdade, mas vou tentar. Eu não sei. Medo? Eu tenho que confrontar meu potencial e o fato de que não estou vivendo como gostaria de viver? Isso está certo? Eu me sinto despreparado? Eu não acho que mereça? Eu acho que tenho que estudar mais antes? Eu não sei.”

Por que as pessoas não realizam seus planos? Bem, eu orientei gratuitamente pessoas sobre como ganhar dinheiro, elaborei um plano claramente exequível e bom, ofereci para ajudá-las a implementar. Mais ou menos oitenta por cento delas não aceitou.”

Esse é mais um dilema da autoestima: você sempre encontra uma maneira de se livrar daquilo que sente não ser seu de direito. Os pesos e alturas do sucesso fazem alguns de nós sentirem-se reis, e outros sentirem-se fraudes. Para muitos, conseguir o que desejam é algo que desperta aquela voz de serpente que existe no fundo de suas mentes, e que cutuca suas inseguranças e medos até arranjar um jeito de destruir tudo o que conseguiram. Pode ser um relacionamento com alguém que você ama e que você sabota, pode ser o trabalho dos seus sonhos que você não aceita, pode ser uma oportunidade criativa que você troca por um objetivo mais “prático”; pode ser simplesmente sair com pessoas que você admira, mas acabar sentindo-se um fantasma ao lado delas.

Seja o que for, a piscina de lama das dúvidas sempre arranja um jeito de arruinar a sua vida – de fazer você arruinar sua vida, e essa é a verdade mais dura. É você. Não há ninguém mais nessa equação. E quanto mais você negar isso, mais esse medo persistirá e será uma barreira invisível, um muro de vidro inquebrável separando você da felicidade.

escrito por:

Mark Manson